Quarta, 24 de Abril de 2024
Follow Us

Sexta, 23 Fevereiro 2024 10:06

Mulheres entre o exercício físico e o assédio sexual em Luanda

As vestimentas que algumas mulheres usam, colã transparente e top, roupa que realça os ‘decotes’, bem como a forma de os personal trainers, ou seja, treinadores particular, estarão na base de eventuais assédios em vários ginásios na capital angolana e arredores.

A equipa de reportagem do jornal O PAÍS visitou alguns ginásios de Luanda para perceber como funcionam e se há ou não casos de “assédio sexual”.

Durante a ronda, apurou-se que a forma de vestir de alguns atletas, sobretudo as mulheres, chama atenção de quem está presente ou até mesmo de quem era suposto ser somente um treinador. Entre os componentes, a vestimenta de treino que as senhoras usam com frequência estão os chamados tops, blusa com pouco tecido e colãs, que acabam por realçar ainda mais a siliueta feminina em plenos treinos.

Quanto aos rapazes, é comum vê- los com camisolas interiores, calções e calças desportivas na for- ma como muitos se apresentam no dia-a-dia para a prática de exercícios físicos nas ‘academias’, algumas das quais visitadas pela equipa deste jornal. Um outro quesito que não passou despercebido à equipa de reportagem é a forma como os “personal trainers” ou treinadores, particulares, ensinam e ou exemplificam os exercícios.

A olho nu, em realação à orientação às senhoras, há um permanente contacto físico, que se parece normal no seio dos atletas e das atletas à luz de vários elogios. Por esse motivo, o coordenador e instrutor do ginásio Solarium, localizado no Condomínio Veredas das Flores, nas imediações do Estádio 11 de Novembro, Anderson Fortunato Mateus, assumiu que existe sim assédio sexual em muitos ginásios.

Anderson Fortunato Mateus explicou que o assédio sexual nestes espaços é comum como em qualquer local de trabalho. Por isso, segundo o nosso entrevistado, não se pode tapar o sol com a peneira, tendo acrescentado que as mulheres são as que mais sofrem assédios e aqui dentro do ginásio das Veredas. Ainda assim, Anderson Fortunato Mateus sublinhou que cada um deve saber posicionar-se no ginásio. “Eu como instrutor devo ser profissional. O facto de ter algum físico invejável não significa que tenho que ceder ao capricho de uma aluna ou o contrário”, explicou.

Para combater o assédio na sua academia, Anderson Fortunato Mateus lembrou que o ginásio tem normas que proíbem uma aluna de treinar com colã transparente, nem com os ‘decotes’ totalmente visíveis com objectivo de assediar os colegas, bem como os instrutores. “Somos humanos e estamos sujeitos a errar ou a cair em tentação, mas isso depende muito do carácter de cada um que está no ginásio”, reiterou.

Por sua vez, o instrutor do Ginásio do Nelo, localizado na Sapú 2, no distrito urbano da Cidade Universitária, Hermenegildo de Oliveira, revelou que já sofreu assédio por parte das alunas. “Muitas vezes recebi elogios do meu corpo, bem como já fui convidado para sair com elas. Mas, por questão de ética profissional não aceitei se envolver sexualmente com as jovens do ginásio”, disse.

Rate this item
(0 votes)