Sábado, 22 de Janeiro de 2022
Follow Us

Terça, 19 Novembro 2013 19:56

Reação ao discurso lirico do bureau politico MPLA/JES

A declaração do MPLA/JES em primeiro lugar não nos representa a todos os membros do MPLA, por outro lado e demonstrativo o medo que se entranhou nas hostes da elite do MPLA/JES, primeiro veio a terreiro o membro do comitê provincial de Luanda do MPLA/JES Norberto Garcia fazer através da “RNA” radio nacional de Angola declarações que propiciavam um outro pronunciamento mais contundente que veria através do atrapalhado bureau politico do MPLA/JES com os mesmos dizeres estupidamente feitos deficientemente por Norberto Garcia.

Condoí-me a ignorância da natureza politica do MPLA/JES

Todo povo perseguido pelas muitas secretas ao serviço da CASA DE SEGURANÇA MILITAR ao longo dos trinta e quatro anos, percebeu a muito a inutilidade vulgar do pensamento retrogrado do meliante MPLA/JES, que não consegue diferenciar uma tomada de eletricidade com o focinho de um porco, o MPLA/JES infelizmente transformou-se numa lesma rastejante de imprestáveis serviços no percurso da sua vida politica medíocre na admiração da coisa publica nacional.

O MPLA/JES sabe bem que não é nem nunca foi a unita que abandalha e atropela toda a sociedade angolana, e muito menos ela é culpada dos crimes cometidos pelo sistema politico incrementado por JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS.

Acredito piamente na insensibilidade do bureau politico do MPLA/JES que até hoje não soube fazer uma leitura real do estado calamitoso que o país e o povo vivenciam desde a independência em 1975, isso ficou demonstrado nas constantes ameaças feitas arrogantemente pela direção do MPLA/JES que a muito deveria entender melhor que em Angola não existe mais ninguém que embarcaria as cegas numa guerra feroz impregnados pelas falácias imprestáveis manifestamente alarmantes e absurdas para levar-nos a eventuais estádios de ignorância total.

O povo já não teme nem embarca mais nos discursos estapafúrdios  musculados do bureau politico do MPLA/JES

A informação hoje prestada pela comunicação social do estado veiculando uma declaração prepotente despropositada do bureau politico do MPLA/JES, demonstrou uma vez mais o seu total desprezo pelo pensamento e liberdade de manifestação da maioria do povo nacional.

Ficou claro o medo prevalecente no seio do MPLA/JES motivado pelo constrangedor anuncio da UNITA em sair à rua para reivindicar o fim da intolerância politica prevalecente no país! As constantes violações da integridade física e mental praticadas pelo sistema e a consequente impossibilidade de convivência entre o regime e a maioria do povo que não se revê no regime nem na direção do MPLA/JES são os motivos que dificultam a convivência de todos na diferença!

 Nenhum ditador se revê num sistema democrático

É claro que fica extremamente difícil para um ditador como Eduardo dos Santos, família e seguidores reverem-se numa Angola moderna, livre, democrática sem a batuta da prepotência arrogante imposta pelo seu regime totalitarista.

Compreendo a necessidade do pioneiro do MPLA/JES de querer ardentemente que toda população nacional morra de armas de guerra na mão e que o nosso enterro seja feito de preferencia na patrulha conforme a cartilha do partido no poder; mas o povo não deseja nunca mais embarcar nessa despropositada lenga, acredite ou não a direção do MPLA/JES, que o povo quer é mesmo continuar vivinho da silva, e de preferencia com a liberdade de expressão expressa nos seus lábios sorridentes!

Sabemos todos qual o sentimento que move o presidente da ditadura

Afinal o grande desejo que move o dono do país é torpedear consistente e insistentemente os ideais do povo em luta até conseguir atropelar mortalmente a resistência do povo endurecido nos trinta e quatro anos de luta contra regime absolutista, porem o insigne ditador terá de colocar na sua mente doentia que em democracia manifestação de ruas não é crime e esta legitimada na constituição atípica do país!

Buscar direitos usurpados por um regime déspota não somente é um direito como se torna um igualmente um dever obrigatório reivindica-los nas ruas e por toda parte, e de preferencia com a ajuda das oposições coma finalidade de levar todo povo a conhecer toda verdade acerca da necessidade do combater para crescer e buscar novos estímulos que o conduzam a outros patamares que o endureçam na luta pela defesa dos seus inalienáveis direitos.

É verdade que compreendo o medo coletivo por que passam todos os filhos velhacos do regime

É compreensível o momento de medo e susto coletivo provinciano que todo aparato dirigente do MPLA/JES passa, sabemos que nenhuma ditadura gosta e deseja que o povo desperte e comece a lutar pelos seus direitos, essa faceta do povo oprimido lutar veemente para desarticular as estratégias do regime em continuar a subjuga-lo é aceitável e viável. Qualquer ditadura se amedronta com a possibilidade da democracia prosperar com a saída do povo para a rua, por isso, essa possibilidade tira seriamente o sono a toda classe politica afeta ao regime, que só agora se apercebe que está a sua sorte nesse seu objetivo frenético de lutar contra os direitos inalienáveis da liberdade dos angolanos.

A democratização do país ameaça a existência o regime totalitarista de EDUARDO DOS SANTOS

É aterradora insegurança do regime motivada pelo anuncio da UNITA de sair à rua dia 23 de Novembro!  Será que o MPLA deduziu que nós estávamos todos aterrorizados e com medo de sair à rua e lutar contra a tirania que nos afronta a todos a mais de trinta e quatro anos? Porque o regime não aproveitou o beneficio da duvida presenteado por toda sociedade civil e politica ativa para dissolver definitivamente a ditadura draconiana instituída unilateralmente pelo MPLA/JES na nossa terra?

O bureau politico do MPLA/JES perdeu uma ótima oportunidade de ficar calado, e até mesmo de colocar-se ao lado do povo e suplicar ao seu patrão assassino Eduardo dos Santos a pedir desculpas a todo povo angolano em geral e em especial a família dos ativistas cívicos e ex-militares Cassule e Kamulingue assassinados a mando da casa de segurança militar do presidente da republica popular do MPLA/JES!

MPLA/JES em parampas decidiu poluir a atmosfera politica

O MPLA/JES esta em pampas dya kalunga, ele esta sem saída, e medroso como é passou a atacar despropositadamente a UNITA, decidindo poluir unilateralmente toda atmosfera politica com o lirismo dos seus discursinhos corriqueiros! Esse minúsculo e enfraquecido bureau politico, cipaio ao serviço do ditador chefe, deveria antes aproximar-se mais do país real para conhecer de perto o verdadeiro sofrimento que o povo padece sobre a batuta do arrogante tirano ditador seu chefe corrupto.

A muito o MPLA/JES se esqueceu do povo da angola profunda

A atual direção do MPLA/JES esqueceu-se de toda Angola profunda ha mais de trinta e quatro anos, isso para não falar nas nações oprimidas e exploradas do povo Quimbundo de Malanje e Kwanza Norte, do povo Bacongo e Ovimbundu torturados até a morte sem apelo e sem agravo pela impopular democracia implantada pelo MPLA/PT e MPLA/JES, ainda assim e apesar do ódio visceral nutrido pelo ditador contra essas populações, essas nações bantu resistiram e continuam a fazer parte do todo tecido nacional do povo angolano em luta, que não aceitaram vender-se coletivamente no passado nem se deixaram envolver na estrada da corrupção por qualquer tuta e meia de dólares.

TPA, RNA e folhetim jornal de angola sabem bem quem é o mentor da nossa desgraça nacional, ela não é de maneira nenhuma a UNITA, todos nós sabemos quem são os culpados.

 A TPA, a RNA e principalmente o folhetim “JA” jornal de Angola sabem muito bem que não é a UNITA quem se aproveita do país nem hoje nem ontem, infelizmente para esses órgãos da comunicação social afetas ao estado, sabem que não foi a UNITA quem trousse a pratica do nepotismo e da corrupção para as fileiras do MPLA/JES nem para dentro de Angola!

Será mesmo a unita que se aproveita da situação criada pelo regime para fazer politica? Ou será que fazer politica para o MPLA/JES e obedecer-lhe fielmente em tudo!

Será mesmo que é a UNITA quem esta a aproveitar-se da paciência dos angolanos para afanar todos os recursos financeiros do nosso erário público? São os membros da UNITA filhos autóctones da sociedade bantu da Angola contemporânea que têm governado e se pavoneiam com os dinheiros da nossa Angola sequestrada? Por acaso é a UNITA quem governa o país por decreto e usurpa os poderes do TC tribunal constitucional? É a UNITA que prega rasteiras a tudo e todos para inviabilizar os poderes de fiscalização da Assembleia nacional? Foi a UNITA por acaso quem fraudou por três vezes consecutivas o pleito eleitoral realizados em Angola?

 Não é da autoria da UNITA a repressão, nem a inviabilização da liberdade de imprensa e do saque da riqueza produzidos na nossa angola atual, todos sabemos de quem é a culpa.

Não foi com toda certeza a UNITA quem implantou a corrupção na nossa martirizada Angola nem é a UNITA que usufrui dos rios de dinheiros roubados pela família do ditador enriquecidos facilmente com as constantes pratica de nepotismo desenfreado em toda extensão do território nacional? Não foi também da autoria da UNITA a prisão politica do adolescente Nito Alves por cerca de três meses? Não foi igualmente a UNITA a autora do assassinato do Doutorado em matemática, o nacionalista M´flupinga Lando Victor?

Foi por acaso a UNITA quem assassinou o Jornalista nacionalista Ricardo Melo? Teria sido a UNITA a praticar o massacre que se convencionou chamar de a QUINTA FEIRA SANGRENTA de outubro de 1992 onde o regime dizimou milhares e milhares de autóctones angolanos pertencentes tribo bantu Bacongo?  Foi por acaso a UNITA a culpada dos assassinatos dos nossos irmãos, filhos da Angola profunda Cassule e Kamulingue?

Outras perguntas para o bureau politico responder na “RNA” radio nacional de angola e no folhetim “JA” jornal de angola e na TPA televisão popular de angola

Existem inúmeras perguntas que o povo quer muito saber, e já agora aproveito e peço Aos membros efetivos da quadrilha criminosa de José Eduardo dos Santos que responda com prontidão e nos deem a conhecer tudo acerca dos atos criminosos do seu colega de partido, o bandido provinciano Bento Analfabeto Kangamba dos Santos!

O povo esta deveras desejoso de saber na voz do garboso bureau politico do MPLA/JES, toda história discricionária do envolvimento direto de Bento Bento, primeiro secretario do comitê provincial do partido de Luanda do MPLA/JES, nos assassinatos de Cassule e Kamulingue! Para tal basta usarem as fontes disponíveis da “RNA” radio nacional de Angola e do “JÁ” jornal de Angola fontes inspiratórias da azafama difusiva do governo repressor que a todos amordaça!

Batoteiro e traficante de carne humana BENTO ANALFABETO KANGAMBA DOS SANTOS em ação

Acredito que toda sociedade gostaria de saber se foi a UNITA que foi jogar batota no casino no principado do Mônaco com dinheiro roubado ao povo, de igual modo digam-nos também se foi a UNITA que obrigou o regime Francês a acusar o Kangamba de lavagem de dinheiro?

Para que não fique no esquecimento, gostaríamos que o Norberto Garcia e o batuqueiro José Ribeiro diretor do Jornal de Angola se pronunciassem acerca da gang criminosa de trafico de carne humana para prostituição internacional e da implicação direta como chefe de quadrilha de Bento Analfabeto Kangamba dos Santos, sobrinho do ditador facínora. Temos todos de fazer uma leitura atualizada do cancerígeno ditador José Eduardo dos Santos para entenderemos definitivamente que o regime angolano é um regime anti-povo e completamente criminoso na sua essência.

Por que tanto xinguilamento nas hostes do regime MPLA/JES? Eu militante da liberdade e do MPLA livre onde milito a mais de quarenta anos com cartão e tudo mais, vislumbro o fim da ditadura.

Eu militante do MPLA a quarenta anos, com cartão de membro e tudo mais, gostaria imenso saber o motivo de tanto xinguilamento nas hostes do MPLA/JES! Aprendi na minha infância que quem não deve não teme, por isso fico atônito com toda atrapalhação do regime por causa de uma simples e inofensiva manifestação anunciada pela UNITA para o dia 23 de Novembro?

 Afinal quem foi que até hoje se aproveitou e se aproveita ainda dos momentos decisivos da nossa historia para anular a luta pela alternância do poder em Angola? Que fique bem claro para toda militância pró JES, que a fulanização do discurso do MPLA/JES foi muito mal filtrado e esta preenchido de grande confusão linguística preenchida de um estrabismo difuso incomum de um esfuziante desesperante com cheiro a medo à mistura, por isso, essa declaração do bureau politico não demove nem comove mais ninguém, nem mesmo a nós antigos fanáticos militantes da grande família do MPLA. O ditador não conseguira mobilizar mais a dita grande família EMEPELISTA para consagrar-se como único dono e senhor de toda riqueza produzida em Angola.

Quem se sente representado incondicionalmente pelo bureau politico do MPLA/JES autentico cipaio de EDUARDO DOS SANTOS que se pronuncie.

O bureau politico do MPLA/JES atual não representa toda militância do partido e os seus membros representam a si mesmos eventualmente represente as sua famílias, esposas e filhos!

EU RAUL DINIZ estarei presente nessa manifestação do dia 23 de novembro

Que saibam os apologistas da desgraça global da nossa terra sequestrada, que “Eu”, Raul Diniz estarei na manifestação do dia 23 de Novembro, com toda força da minha militância adquirida ao longo dos meus quarenta anos no MPLA Movimento de Libertação Popular de Angola, e muitos como eu far-se-ão presentes, Pena foi à maneira como essa convocação foi feita, a UNITA dificulta sempre com a sua peculiar arrogância disfarçada de humildade paciente, que a faz perder até hoje todas as hipóteses de se juntar as oposições e toda sociedade politica e civil ativa no país para juntos e organizadamente combatermos o regime caduco de Dos Santos. A megalômana sintomática da UNITA na sua concepção tem impedido de perceber, que somente juntos vencermos o regime criminoso do MPLA/JES.

Raul Diniz

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up