Quinta, 23 de Mai de 2024
Follow Us

Quinta, 14 Março 2024 13:01

Novos apelos para suspensão da medida que proíbe a importação de carros usados

Cerca de 14 anos depois da proibição de entrada em Angola de viaturas de segunda mão, a fronteira de Santa Clara, na província do Cunene com a vizinha Namíbia ressente-se do impacto do volume de negócios nas trocas comerciais.

A economia da província sofre e há apelos à anulação da medida que pretendeu impedir a entrada de carros velhos, por considerar que entra em choque com as disposições da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC).

A fronteira de Santa Clara já chegou a ser o principal ponto de entrada de viaturas no sul de Angola.

António Francisco empreendedor do ramo da restauração e residente há anos na Santa Clara, lembra com saudades os bons tempos de negócios com a venda de viaturas na fronteira.

“Assim que cortaram esta fase de compra de carros de volante à direita baixou consideravelmente o comércio, hotelaria e outros serviços”, conta.

Numa altura em que Angola preside a SADC, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria do Cunene vê contradição na manutenção desta medida, quando muitos países desta sub-região africana servem-se de veículos de segunda mão para impulsionar as suas economias.

“O Governo cortou a importação de carros de segunda mão, até os países ricos permitem... um país pobre!? Se se fizesse o cálculo que a falta de carros de segunda mão não permite o escoamento do pouco que se produz, se se fizessem os cálculos de que para além de escoar o pouco que se produz não se consegue mandar para lá o que é necessário para produzir, sementes, etc não se leva de mota!”, aponta Jorge Chimuandi.

Com a aquisição de viaturas cada vez mais difícil para os cidadãos comuns, o director do Gabinete de Desenvolvimento Integrado do Cunene não esconde o desejo de ver o negócio ser reaberto.

“O país ganhou muito dinheiro com isso, tanto mais é que a fronteira de Angola da Santa Clara era a que mais colocava recursos financeiros nos cofres do Estado. Vamos augurar que isso volte a acontecer novamente”, diz Gilberto Shomongula.

A importação de viaturas usadas com mais de três e cinco anos foi proibida pelo decreto presidencial n.º 135/10, que actualiza e regula a actividade de importação, comércio e assistência técnica a equipamentos rodoviários.

Rate this item
(1 Vote)