Domingo, 21 de Abril de 2024
Follow Us

Terça, 30 Janeiro 2024 14:22

Administração do Banco Caixa Geral Angola acusada de fazer braço de ferro com o BNA

Um dos Bancos com maior número de contas das operadoras petrolíferas e mineiras, Banco Caixa Geral Angola (BCGA), é acusada de, nas últimas semanas estar a condicionar a execução das operações para colocação de divisas de empresas no mercado.

Fonte geralmente bem informada, ligada a um dos centros de investigação económica do país, citada pelo FD, antevê a aproximação de uma crise grave da cadeia de importação de suprimentos e matérias primas para o sector produtivo.

Um dos principais objectivos do governo para estabilização da economia é a diversificação da produção nacional, que tal como em todo o mundo depende em alguma medida da importação de meios.

Esta importação requer a utilização de divisas, sendo certo que os sectores que mais fornecem moeda estrangeira são a indústria petrolífera e mineira que podem vender, na plataforma Bloomberg, as divisas que arrecadam para outros Bancos do sistema financeiro e consequentemente para os clientes destes que são predominantemente indústrias e empresas no geral, que contribuem para a diversificação do Produto interno Bruto.

Um dos Bancos com maior número de contas das operadoras petrolíferas e mineiras é o Banco Caixa Geral Angola (BCGA), que nas últimas semanas tem estado a condicionar a execução das operações para colocação de divisas destas empresas no mercado, o que além de contrariar as regras do BNA é uma flagrante violação das regras da justa concorrência e uma provocação à Autoridade Reguladora da Concorrência e ao Banco Central, uma vez que impede o acesso às divisas não somente às empresas como também aos cidadãos em geral.

Salienta-se que a matriz estrangeira que o Banco ainda herda poderá estar a provocar um desalinhamento dos objectivos nacionais e oportunidades de mercado interno com os propósitos inconfessos da Administração do BCGA.

Rate this item
(1 Vote)