Quinta, 01 de Dezembro de 2022
Follow Us

Sexta, 19 Agosto 2022 11:09

Major Lussaty diz que tinha mais de U$60 milhões no apartamento e acusa a PGR de ter apresentado apenas U$17 milhões

O julgamento do conhecido "caso Lussaty" entrou esta quinta-feira, 18, na fase de interrogatório aos arguidos. O major Pedro Lussaty, principal figura no processo, começou a ser ouvido pelo tribunal e admitiu ser proprietário de uma fortuna de mais de 60 milhões de dólares, valor que, afirma, estava guardado no seu apartamento, "invadido ilegalmente". E acusa a Procuradoria-Geral da República (PGR) de apenas apresentar como valor apreendido 17 dos 60 milhões de dólares.

Ao tribunal, Pedro Lussaty admitiu que é dono de muito dinheiro e de vários imóveis em Angola e em Portugal, mas que tudo é fruto do seu trabalho.

O arguido nega ter beneficiado de dinheiro ilicitamente da Casa de Segurança do Presidente da República e assegura que está a ser julgado por inveja e perseguição de altas figuras.

O julgamento continua a decorrer no Tribunal de Comarca de Luanda, no Centro de Convenções de Talatona, e neste momento o arguido está a ser interrogado pelo Ministério Público depois da instância dos juízes.

O Novo Jornal continua a acompanhar na sala de sessão e julgamento o interrogatório ao arguido.

O major Pedro Lussaty e outros arguidos, afectos Casa de Segurança da Presidência da República, são acusados de crimes de peculato, associação criminosa, recebimento indevido de vantagens, participação económica em negócios e abuso de poder e também de fraude no transporte ou transferência de moeda para o exterior do País, comércio ilegal de moeda, falsificação de documentos, branqueamento de capitais e de falsa identidade. NJ

Rate this item
(1 Vote)