Segunda, 17 de Mai de 2021
Follow Us

Sábado, 17 Abril 2021 16:29

Polícia dispersa estudantes que protestavam contra subida de propinas

A polícia angolana dispersou hoje com tiros e lançamento de gás lacrimogéneo uma manifestação de estudantes que protestavam em Luanda contra a subida de propinas e emolumentos nas instituições de ensino, uma marcha que começou de forma pacífica.

O "elevado" preço das propinas e emolumentos nas instituições públicas e privadas e "falta de qualidade no ensino" foram alguns dos propósitos da manifestação promovida este sábado, em Luanda, pelo Movimento dos Estudantes Angolanos (MEA).

Mais de 250 estudantes e membros da sociedade civil concentraram-se no Largo das Heroínas, local onde antes do início da marcha os estudantes expulsaram o presidente do Conselho Nacional da Juventude (CNJ), Isaías Kalunga, que teve de sair escoltado ante a "fúria" dos jovens.

"Kalunga fora" era o grito de protesto contra a presença do líder do CNJ que não escapou, inclusive, a uma garrafa de água que foi lançada contra si pelas costas.

Sob olhar e proteção policial, a marcha teve início pontualmente, às 13:00 locais, e enquanto os manifestantes percorriam a avenida Ho Chi Min entoavam palavras de ordem como "a educação é um direito e não deve ser vendida" ou "não matem o sonho da juventude, estudar é um direito".

Com várias paragens ao longo do percurso, a marcha contornou o largo 1º de Maio, mas foi à entrada da rua Nicolau Gomes Spencer que os ânimos dos manifestantes se alteraram, uma vez que uns pretendiam marchar até à sede do Ministério das Finanças e outros até ao largo dos Ministérios, a 500 metros, onde seria lido um "manifesto".

O aumento da tensão levou a polícia a reforçar no local o seu efetivo, com agentes da polícia de intervenção rápida e da brigada canina, com os estudantes a romperem o primeiro cordão policial, mas não conseguindo transpor o segundo cordão.

A polícia ainda tentou apaziguar os ânimos de alguns manifestantes insatisfeitos pela alteração do percurso da marcha, mas acabou por dispersá-los com tiros e lançamento de gás lacrimogéneo, causando o pânico entre manifestantes e transeuntes.

Naquele momento o trânsito parou, alguns manifestantes não escaparam à carga policial e outros foram detidos.

O MEA promoveu a marcha também para "exigir a revogação" do Decreto Presidencial 124/20 de 04 de maio, que agrava a subida das propinas e emolumentos nas instituições de ensino.

"Viemos reivindicar para que o Governo revogue o novo decreto por ser um perigo para a sociedade angolana, porque a maior parte dos jovens se encontram desempregados", disse o estudante Luís Manuel, em declarações à Lusa.

A frequentar o 2.º ano do curso de Direito, numa instituição privada, o estudante considerou também que o referido decreto "viola a gratuidade do ensino".

"Exigimos também melhor qualidade de ensino e a implementação da merenda escolar, como prevê a Lei de Base do Ensino", acrescentou.

Para Dumilton Silvestre, estudante de Engenharia de Minas na Universidade Agostinho Neto (UAN), maior universidade pública angolana, o aludido decreto presidencial "agravou" o preço das provas de recurso de 1.500 kwanzas (2 euros) para 5.000 kwanzas (6,3 euros).

"Mas agora houve uma subida exponencial do recurso para 5.000 kwanzas. Atendendo a que a maior parte da população vive abaixo da linha da pobreza, fazer o ensino superior aqui em Angola é um tremendo sacrifício", lamentou.

"Então, vim aqui para me manifestar a fim de que o Governo pudesse velar por isso, porque nunca devemos admitir uma subida assim exponencial", atirou o estudante universitário.

Também Teresa Luther King "repudiou" o decreto que aprova o pagamento de propinas, taxas e emolumentos nas instituições públicas de ensino, afirmando que "o Estado deve parar de matar a vontade dos jovens pobres".

Segundo a estudante angolana, muitos jovens no país "estão a ver os seus sonhos frustrados" em consequência das disposições do decreto que "penaliza, sobretudo, as famílias de baixa renda".

"É preciso que se criem políticas que vão de acordo à nossa realidade social, também merecemos sonhar", defendeu Teresa Luther King antes do início da marcha, que posteriormente foi dispersada pela polícia.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up