Quarta, 19 de Junho de 2024
Follow Us

Sexta, 24 Novembro 2023 19:46

Rua de Luanda terá nome do jovem italiano

O nome do jovem estudante italiano Piero Bruno, assassinado, em 1975, numa manifestação a favor da Independência de Angola será dado a uma das ruas de Luanda.

A informação foi prestada, esta sexta-feira, pela embaixadora de Angola na Itália, Fátima Jardim, durante uma aula magna subordinada ao tema “Agostinho Neto, a Itália e os Movimentos de Libertação de Angola”, coorganizada pelas as Universidades Roma Tre, Universidade de Estudos Internacionais de Roma UNINT, a Comuna de Roma, através do 8º Município e a Missão Diplomática de Angola.

De acordo com a diplomata angolana, as autoridades de Luanda já concederam autorização para a atribuição do nome do estudante italiano a uma rua da capital angolana.

“Piero Bruno participou naquilo que hoje é Angola independente e podemos dizer sim que ele foi um herói e hoje está na História de Angola”, afirmou a embaixadora Fátima Jardim.

O evento teve lugar no Largo frontal ao Instituto Técnico Armellino, onde Piero Bruno estudou, na zona da Basílica Papal São Paulo Extramuros.

Neste Largo foi descerrado o busto do poeta e primeiro presidente de Angola, António Agostinho Neto, inaugurado, em Junho último, pela sua viúva Maria Eugenia.

Fátima Jardim disse que “com Piero Bruno, estudantes, Universidades e com o município, se pode fazer deste largo um instrumento de oportunidade internacional e também de apreciação de um processo e projecto comum entre Angola e a Itália”.

Com a participação dos estudantes do Instituto Técnico Armellino e das universidades Toma Tre e UNINT foi também enaltecida a personalidade de Agostinho Neto.

Sobre Neto falaram a reitora da Universidade de Estudos Internacionais de Roma (UNINT) e coordenadora da Cátedra Maria Eugenia Neto, a professora Mariagrazia Russo e o professor Giorgio De Marchis, director da Cátedra Agostinho Neto da Universidade Roma Tre.

Participaram no evento o presidente do Município de Roma VIII, Amedeo Ciaccheri, o professor Francesco Celentano, Director do Instituto Técnico Armellino, e as professoras Analisa Tota, pró-reitora da Universidade Roma Tre, e Antonella Ercolani, pró-reitora da UNINT para além dos antigos colegas de Piero Bruno, diplomatas e membros da comunidade angolana.

Piero Bruno foi assassinado no dia 22 de Novembro de 1975, em Roma, por disparos da polícia, durante uma manifestação de apoio à luta do povo angolano, que teve uma ampla convergência de forças democráticas italianas.

A polícia tentava dispersar os manifestantes diante da Embaixada da actual RDC em Roma.

Rate this item
(1 Vote)