Sábado, 02 de Março de 2024
Follow Us

Terça, 14 Junho 2022 16:24

Na contra-mão do PR, fazedores de opinião dizem que imprensa angolana não vai bem

Fazedores de opinião angolanos não dão razão ao Presidente da República quando diz que o país "tem uma boa comunicação social" de que "muito se orgulha".

Na entrevista colectiva concedida a 12 órgãos de comunicação social nacionais na passada quinta-feira, 9, João Lourenço reconheceu que Angola “ainda não tem uma comunicação social ideal e perfeita porque ainda não atingiu o nível da perfeição, como noutros sectores”, mas assegurou que o caminho para se chegar lá está a ser feito e que “ um dia teremos a comunicação social que o país merece".

O jurista Sebastião Assureira considera ser “uma utopia” dizer-se que o país tem uma comunicação social que reflecte todas as correntes políticas, sociais e culturais do país.

“O camarada Presidente ao dizer isso ele usou uma figura de estilo só para embelezar”, sublinha aquele advogado.

Para o também jurista Vicente Pongolola, os órgãos de comunicação social públicos “têm uma cobertura desajustada, privilegiando o partido que está no poder” o que, para ele, “fragiliza a democracia”.

Pongolola considera as declarações do Presidente da República um “um discurso de circunstância que não reflecte a realidade do país”.

Para o responsável da Comissão Episcopal de Justiça e Paz e Migrações, da Conferência Episcopal Angola São Tomé (CEAST), padre Celestino Epalanga, se o Presidente chegou a tal conclusão “é porque a mídia pública o beneficia ao fazer publicidade apenas do seu partido e denegrir a imagem da oposição”.

O padre católico entende, por exemplo, que o facto de a mídia pública não ter dado eco ao recente “Congresso da Nação”, que reuniu várias personalidades da sociedade civil para falar sobre a reconciliação nacional é bem prova disso.

“Os organizadores do congresso pediram a cobertura mas a TPA e TV Zimbo não foram”, lembrou o padre.

Em tempo de pré-campanha eleitoral, vários observadores e a oposição, em particular a UNITA, têm criticado o facto de a imprensa pública, nomeadamente a Televisão Popular de Angola, dedicar longos minutos a actividades do MPLA, em detrimento de eventos dos demais partidos concorrentes às eleições de 24 de Agosto. VOA

Rate this item
(1 Vote)