Quinta, 19 de Mai de 2022
Follow Us

Domingo, 10 Novembro 2013 20:51

A resistência contra a iniquidade

Mesmo pensando em deixar um tom de esperança, como deixo sempre nos meus textos, foi por pouco que este que aqui escrevo, não teve por título “O triunfo da Iniquidade”. É que antes de mudar de ideias para adoptar este novo título, continuaram acontecer coisas inacreditáveis no meu país, sob a batuta do Presidente José Eduardo dos Santos: 

1 - O Homem conseguiu colocar Portugal a seus pés: duas investigações que corriam contra seus homens, foram pura e simplesmente arquivadas, quando muitos esperavam que um país da dignidade e maturidade de Portugal não iria, pelo menos isso, dar sinais tão evidentes e imediatos de cedência, perante chantagem de um regime autoritário africano;

2 - Perante mais um escândalo protagonizado por quem um dia chamei de “empresário sem empresa”, o Presidente Dos Santos matém-se na sua inamovível atitude de proteger “pierrefalcones”, à custa de um mínimo de honra para o país;

3 – O Presidente manda o Presidente da Assembleia Nacional retirar um direito que cabe a um partido político de perorar no hemiciclo de acordo coo os regulamentos; 4(e fico por aqui para não aborrecer os meus amigos)- o Presidente manda o Tribunal Constitucional “ordenar” que assim como ele chefe do Executivo não presta contas a ninguém, também os seus “missi dominici” não devem ser importunados por nada deste mundo; tudo isso contra decisões anteriores da própria casa da leis, e envia supostos juristas para mais uma vez estabelecerem semelhanças inexistentes com o funcionamento de regimes democráticos como o dos Estados Unidos e da África do Sul (porque sabe que renomados juristas e diplomatas portugueses vão corroborá-los e nenhuma voz contraditória competente será ouvida, nos grandes meios de comunicação em Angola e no Portugal amordaçado).

Mudei de título porque houve notícias encorajadoras, que indicam que poderemos vencer a batalha da retoma do caminho da construção de um país para todos, sem novo recurso à violência, para gáudio dos “pescadores das águas turvas”, como poderá estar a acontecer na irmã Moçambique.

Não tanto porque aconteceu o caso da soltura de “Nito Alves” por pressão da sociedade nacional e internacional, o que era normal esperar, como mais um facto de limpeza temporária da face de um regime que se vai tornando cada vez mais cinicamente sanguinário, mas sobretudo porque parecem começar a esboçar-se as acções “pacíficas mas não passivas”, para se resolver de forma global o problema actual de Angola, que consiste no bloqueio dos mecanismos de consolidação da democracia nossa, para propiciar a agora claramente declarada pelo Presidente “acumulação do capital”, pela família presidencial e próximos, à custa do erário público e de vergonhosas chantagens a parceiros económicos e comerciais.

Para isso me convenceram especialmente dois factos: uma intervenção inovadora e encorajadora do líder do maior partido da oposição, Isaías Samakuva e um gesto de resistência da coligação Casa-CE. Para além da continuação dos actos de coragem dos “Jovens Revolucionários”, dos esforços do BD e do reconhecimento internacional do activista Rafael Marques, pelas suas denúncias fundamentadas contra os puros actos de espoliação do país. E do Brasil que esperamos não vir a sacrificar o funcionamento do nível cada mais avançado de consolidação da sua democracia, em defesa de efêmeros proveitos, a favor de regimes chantagistas e retardatários africanos.

Marcolino Moco

(Em homenagem ao jovem “Nito Alves)

À mesa do Café (www.marcolinomoco.com)

Rate this item
(0 votes)