Sábado, 26 de Novembro de 2022
Follow Us

Segunda, 18 Abril 2022 14:57

Jornalista Mariano de Almeida aponta general Carlos Hendrick como responsável pela crise no 1° de Agosto

General Carlos Hendrick General Carlos Hendrick

Mariano de Almeida, jornalista angolano, disse esta segunda-feira, 18 de Abril que General Carlos Hendrick, presidente do Clube Desportivo das FAA é, nos dias de hoje o único responsável a crise e o maior obstáculo à saída do impasse a que está mergulhado o glorioso Primeiro de Agosto, soube Angola24horas.

"Não é possível o Carlos Hendrick ser jogador e árbitro simultaneamente. Onde é que já se viu o suspeito de um desfalque ser o juíz da causa", refere Mariano de Almeida.

De acordo com o jornalista, desde que Carlos Hendrick foi eleito em 2011, tendo como presidente da assembleia geral, por inerência de funções o General Sachipendo Nunda, então chefe de estado maior das FAA, nunca apresentou relatórios e contas auditados ou aprovados pelo conselho fiscal do clube, o que dizer que durante o primeiro mandato de Carlos Hendrick, não ocorreu nenhuma prestação de contas aprovada pelo conselho fiscal.

Para Mariano, o Clube 1° de Agosto diante este mandato, foi transformado num bar aberto onde o intocável Carlos Hendrick dispôs a seu bel prazer dos recursos do clube provenientes do OGE, via ministério da defesa e outras rendas resultantes da quotização, financiamento, patrimônio do clube, desde espaços desportivos, recreação, salões de festas e outros.

Carlos Hendrick, é também acusado de ter usufruído de vários milhares de dólares fruto da contratação/transferências de vários atletas para o exterior do país.

"Infelizmente o Carlos Hendrick, nunca partilhou as decisões relacionadas com orçamentos, quotização ou rendas do clube com os restantes membros da direção. Desgovernou o clube como se tratasse de herança familiar. Admitiu funcionários, assumiu contratos sem critério, fez obras sem consentimento do patrocinador,enfim arruinou o Clube", disee.

Por outra, realçou que, se for confrontado o dinheiro que o Carlos Hendrick recebeu ao longo destes 11 anos com as obras que ele muito se gaba ter feito, é um crime de que merece a intervenção da PGR ou do IGAE.

"As obras da cidade desportiva ou da academia que estão feitas no R20 são um migalha comparando com o volume de dinheiro empregue na obra. Perguntem ao Carlos Hendrick quanto recebeu e quanto gastou naquela obra", afirmou, acrescentando que o dinheiro colocado à disposição do Carlos Hendrick dava para construir uma academia de luxo em cada província.

Sublinha também constar do plano de recebimento, valores cabimentados para construção de clínica e farmácia que foram construídas fora da cidade desportiva e que estão em nome de Carlos Hendrick.

"Nos últimos 18 meses a fonte secou. O ministério das finanças e da defesa mudaram os procedimentos e apanharam o CH com as calças nas mãos. Foram impostas regras que CH não está habituado e a desgovernação veio ao de cima", relatou Mariano de Almeida.

Segundo faz saber, as dívidas da Direcção do D’agosto não se resumem ou se esgotam aos salários, pois o drama é muito maior, visto que a ls dívidas com fornecedores, financiamentos com bancos e outros compromissos financeiros são tão elevadas e sem justificação que o Carlos Hendrick já deveria estar na cadeia.

Assim, conclui que a dívida não esclarecida é tão colossal que a tal academia e o patrimônio do clube podem ser arrestados, frisando que o presidente do Clube Desportivo é tão pouco inteligente que nas últimas semanas está a usar a rádio e a TV do clube para assacar as responsabilidades à ministra das finanças.

"A ministra Vera só está a obrigá-lo a submeter a regras que ele já deveria acatar a algum tempo.
O Carlos Hendrick ao invés de se demitir ou entregar as pulsos as algemas,está a usar alguns piões seus que comentam na rádio do clube e outros órgãos para junto de alguns meios de comunicação social públicos fazerem uma espécie de lavagem da sua imagem", defendeu, avançando que está provado que o Carlos Hendrick não tem condições para continuar à frente dos destinos do Clube.

É igualmente de opinião que meia culpa desta desordem e falta de responsabilização deve ser atribuída ao Presidente da mesa da assembleia geral do clube que não põe ordem no circo e, mais do que permitir esta pouca vergonha promove a sobrevivência de um incompetente e coloca em causa a reputação de uma instituição afecta as Forças Armadas.

O Carlos Hendrick, no entender de Mariano de Almeida não é digno de estar a frente de uma agremiação com o prestígio e a responsabilidade de uma instituição como o Primeiro de Agosto. Nos últimos dias e porque a lavra secou, disse, o CH está a correr para realizar ou impingir ao Presidente da mesa da assembleia geral uma assembleia que esteve quase a realizar-se neste último sábado, 16 de Abril.

Aponta também que a ausência do País, do Chefe de estado maior das FAA, que por inerência de funções é o presidente da mesa da assembleia geral do Clube, inviabilizou o golpe de Carlos Hendrick.

"É que, apesar de ser urgente a realização de uma assembleia, esta não pode ser feita ao jeito ou a dimensão das roupas de CH.
O processo assembliario tem regras, regulamentos e outros pressupostos legais", considera.

Por isso, sugere que a convocatória deve ser com alguma antecedência (existem prazos) e é de lei que deve ser publicada em editais estipulados, em suma deve ser anunciada no Jornal de Angola, na rádio pública, na TV e outros.

Entretanto, prossegue, a assembleia deve ser antecedida de prévia reunião da Direcção para que o tal plano de restruturação,o plano de actividades sejam discutidos em consenso tendo em anexo o relatório e contas do exercício estabelecido com parecer do conselho fiscal, seja levado a aprovação da assembleia muito aguarda.

Por outra, diz que ainda assim os sócios devem tomar contacto com o expediente referido no parágrafo anterior com alguma antecedência para que compulsados (temos que acabar com a intrujice de levar os documentos no dia da assembleia e sem ler nos levar a aprovar um cheque em branco) possam discutir em assembleia.

"O General Egídio de Sousa Santos (disciplina) deve estar atento as rasteiras de CarlosHendrick. Qualquer decisão assumida fora dos parâmetros legais, qualquer cidadão (não precisa ser sócio) nos seus direitos constitucionais pode accionar uma providência cautelar (é isso que CH quer) e enquanto o tribunal não decidir (normalmente leva tempo) o clube fica refém de CH mais algum tempo", apela.

O Carlos Hendrick, reitera, deve apresentar o relatório e contas no curto prazo, caso não aconteça no interesse do patrocinador, deve ser proposta a suspensão do presidente do 1° de Agosto, em assembleia e criada uma comissão de gestão que vai liderar o clube até as próximas eleições em obediência ao ciclo olímpico.

"A PGR deve ser accionada para responsabilização do delapidador das contas e da imagem do nosso clube.

General Disciplina, jekulomesso ya. Somos um grupo de sócio com contas em dia que estamos a acompanhar a situação e vamos fiscalizar os actos antes e durante a assembleia", disse finalmente, com promessas de as informações serem actualizadas.

Rate this item
(1 Vote)