Quarta, 19 de Junho de 2024
Follow Us

Terça, 28 Março 2023 13:50

Angola escreve ao SG da ONU sobre alegado envio de mercenários à Ucránia

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, endereçou, esta segunda-feira (27), uma carta ao Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, onde volta a rejeitar as informações sobre o alegado envio de mercenários angolanos para combater na guerra que opõe a Rússia à Ucrânia.

De acordo com uma nota do Ministério das Relações Exteriores, a que a ANGOP teve acesso, na mensagem o ministro Téte António informa sobre a nota enviada às autoridades portuguesas “rejeitando veementemente essas informações falaciosas”.

Acrescenta que elas “constituem uma vontade deliberada de manchar e desacreditar a boa imagem de Angola e do seu mais Alto Mandatário, confundindo a opinião pública nacional e internacional no que diz respeito à posição de princípio do país sobre a resolução pacífica do conflito, que, no caso em questão, é clara e sobejamente conhecida”.

Refere ainda que no documento endereçado ao Secretário Geral das Nações Unidas, o ministro Téte António enfatiza que Angola já foi vítima de mercenarismo e de invasão por forças estrangeiras, pelo que sempre condenou esses actos com medidas energéticas, como forma de os desencorajar.

O chefe da diplomacia angolana considera útil levar esta informação ao conhecimento do Secretário Geral da ONU, para reiterar o posicionamento de Angola sobre a matéria, bem como “a imutável adesão aos princípios da Convenção Internacional Contra o Recrutamento, Uso, Financiamento e Treinamento de Mercenários, adoptada pela Assembleia Geral da ONU, em Nova Iorque, a 4 de Dezembro de 1989”.

O governante angolano sublinha que os prejuízos causados à imagem da República de Angola, com esta "notícia falaciosa e sem nexo, são da inteira responsabilidade da CNN-Portugal".

Na passada sexta-feira (24) a estação televisiva CNN-Portugal divulgou uma notícia segundo a qual Angola teria enviado mercenários para combater na guerra que opõe a Rússia à Ucrânia.

Rate this item
(1 Vote)