Segunda, 15 de Julho de 2024
Follow Us

Terça, 25 Junho 2024 12:17

Frente para a Libertação de Cabinda acusa as FAA de matar sete civis

A Frente para a Libertação do Estado de Cabinda - Forças Armadas Cabindesas (FLEC-FAC) acusou hoje o exército angolano de matar sete civis e apelou à “solidariedade internacional” para denunciar a repressão militar contra a população.

Segundo um comunicado do movimento independentista, os ataques dos militares angolanos contra “civis cabindenses desarmados” aconteceram na noite de segunda-feira e esta madrugada, na região fronteiriça de Tando Zinze e resultaram na morte de sete pessoas, encontrando-se outras quatro desaparecidas.

A FLEC-FAC apela, no mesmo comunicado, à União Europeia (UE) para que se junte aos esforços da União Africana (UA) “para encontrar uma solução justa e pacífica para o conflito cabindês”.

“A guerra injusta imposta ao povo cabindês por Angola continua atualmente a causar sofrimento e perdas de vidas humanas e deve ser denunciada pela comunidade internacional”, salienta o grupo, exigindo “a proteção das populações civis desarmadas".

“A FLEC-FAC acompanha com grande preocupação a série de assassinatos e homicídios premeditados e perpetrados pelas autoridades de ocupação angolana contra cidadãos cabindenses desarmados, incluindo torturas (...) e agressões sexuais que constituem uma verdadeira declaração de guerra contra o povo cabindês”, salientam ainda os independentistas.

A FLEC mantém há vários anos uma luta pela independência do território, de onde provém grande parte do petróleo angolano, alegando que o enclave era um protetorado português - tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885 - e não parte integrante do território angolano.

O Governo angolano recusa normalmente reconhecer a existência de soldados mortos resultantes de ações de guerrilha dos independentistas, ou qualquer situação de instabilidade naquela província do norte de Angola, afirmando sempre a unidade territorial.

Rate this item
(0 votes)