Sábado, 26 de Novembro de 2022
Follow Us

Sexta, 02 Setembro 2022 15:51

Comandante da UGP diz em tribunal que batalhões "fantasma" eram dos generais

O comandante da Unidade de Guarda Presidencial (UGP), ligado a batalhão de transporte rodoviário, da Casa de Segurança da Presidência da República, coronel Manuel Correia, contou esta sexta-feira, 02, em tribunal, durante o interrogatório no julgamento do conhecido "caso Lussaty", que os batalhões ditos "fantasma" eram dos generais Eusébio de Brito Teixeira e António Mateus Júnior de Carvalho "Dylangue", sob conhecimento do geral Manuel Hélder Vieira Dias Júnior "Kopelipa", e que estes generais recebiam o dinheiro em malas.

Ao tribunal, o comandante relevou que havia também nomes nas folhas de salário de funcionários públicos do Kuando Kubango, militantes do partido MPLA e centenas de familiares de militares ligados à brigada de desminagem.

Manuel Correia disse também que as malas de dinheiro que sobravam, do pagamento em mão dos militares e funcionários da brigada de desminagem, regressava a Luanda e eram entregues aos generais e outros militares a mando superior.

Aos juízes, o coronel e ex-comandante da Casa de Segurança do Presidente da República no Kuando Kubango, disse que recebeu ordens do general Hélder Vieira Dias Júnior "Kopelipa", então ministro de Estado e chefe da Casa Militar do PR, através do major Pedro Lussaty, que lhe entregou a lista de pessoas que não faziam parte do batalhão de transporte rodoviário da Casa de Segurança no Kuando Kubango, mas que passariam a receber salários todos os meses.

"Eu vi e porque conheço a assinatura do general "Kopelipa", não tinha como negar, por isso obedeci às ordens", contou o coronel ao tribunal.

Perguntado se na sua unidade tinha muitos militares já falecidos, o comandante respondeu positivamente e assegurou que não eram de facto dadas baixas nas folhas de salários.

"Havia mais de 200 falecidos na unidade mas os salários continuavam a ser pagos", disse o responsável.

Questionado porque é que o dinheiro voltava a Luanda em malas e não via banco, o coronel respondeu que os generais lhe diziam que era segredo do Estado.

Aos juízes Manuel Correia contou que fez entrega pessoalmente de malas de dinheiro, várias vezes, aos generais Eusébio de Brito Teixeira e António Mateus Júnior de Carvalho "Dylangue".

"Eu entregava o dinheiro em mão e às veze em frente às bombas de combustíveis, em restaurantes e nas suas residências", contou.

Recorde-se que o Ministério Público (MP) assegura e acusa os arguidos de criarem batalhões fantasmas e refere que estes batalhões no Kuando Kubango eram o 6.º e o 8.º. Novo Jornal
29/08Eleições: Resultados finais vão ser anunciados hoje pelo presidente da CNE - Luanda com forte reforço policial à espera de eventual contestação
26/08Eleiçõ

Rate this item
(1 Vote)