Domingo, 05 de Fevereiro de 2023
Follow Us

Quinta, 08 Setembro 2022 11:29

Analista espera que “onda” de detenções por crimes nas redes sociais não inclua às críticas à má governação

O analista político e jornalista angolano, Ilídio Manuel, reagiu, esta quinta-feira, 08 de setembro às mais recentes detenções de cidadãos, pelo Serviço de Investigação Criminal por crimes contra o João Lourenço, apelando que o SIC não coloque no mesmo saco o direito à crítica, opinião e liberdade de expressão com ultraje à figura do Presidente da República.

Referindo-se da peça jornalística no principal espaço de notícias da televisão estatal, segundo constatou Angola24Horas, observou que o jornalista Paulo Duda parecia eufórico, ao anunciar que as forças policiais acabavam de deter um homem que, pela descrição do repórter de serviço da TPA, seria uma espécie de “Terrorista Digital” que atentara contra a dignidade e honra do Chefe de Estado.

Aparentemente abatido, recorda, o capturado esboça um ar de arrependimento depois de ter sido apresentado como funcionário bancário, com o rosto descoberto, sem uma tarja a vendar-lhe os olhos, para que não haja equívocos sobre a sua pessoa.

“Na sessão do (julgamento mediático), o homem, sob a luz dos holofotes, não tem direito à palavra, à sua defesa. Será que este crimes do tipo lesa-Majestade, em praça pública, dão-lhe esse direito? “, questionou Ilídio Manuel.

Ressalta que, com o mesmo ar triunfal, Paulo Duda adiantou que as operações policiais não ficariam por aí e que outras detenções seriam feitas aos internautas que tinham partilhado a informação que dava conta da falsa morte do Presidente da República.

Do alto da sua cátedra, lembra Ilídio, o porta-voz do SIC, Manuel Halaiwa, garantiu igualmente que as operações de limpeza iriam continuar até que fossem irradiados do espaço digital todos os internautas que divulgassem falsas informações que atentassem contra os dignitários do Estado democrático e de direito ou os que incitassem à prática de actos de violência.

“Nas contas do SIC, não sei se dentre os eventuais lesados por tais práticas figuravam também deputados da Oposição...”, reparou ainda, questionando se não serão estes também titulares de cargos públicos que devem merecer a protecção do Estado democrático e de direito ou apenas os que estão ligados ao partido governante?

Este profissional de jornalismo, reiterou o apelo às autoridades para que a liberdade de expressão e as críticas à má governação, que são direitos consagrados na CRA, não sejam tomados como DELITOS DE OPINIÃO e seus autores julgados, em primeira instância, pelos “Tribunais Mediáticos”.

“Quando uma das TPA's ou comentadores por ela arregimentados acusam um líder da oposição, que por sinal é deputado e titular de cargo público, de apoiar as arruaças e actos de violência, sem Provas, não estará tbm a difundir Fakes News passíveis de medidas judiciais aos seus autores? Por que a PGR não desencadeia a chamada "investigação oficiosa" para apurar a veracidade de tão graves acusações? Ou a fórmula aplica-se apenas aos opositores ao regime?”, conforme o analista político, Ilídio Manuel.

Rate this item
(0 votes)