Terça, 23 de Abril de 2024
Follow Us

Sábado, 11 Setembro 2021 20:39

UNITA está preparada para ganhar eleições - Adalberto Costa Júnior

Milhares de pessoas marcharam neste sábado, 11, em Luanda para pedir eleições livres, justas e transparentes, num evento organizado pela UNITA, mas que teve a participação do Bloco Democrático e PRS, todos na oposição.

O presidente do principal partido da oposição, Adalberto Costa Júnior, garantiu que a UNITA está preparada para ganhar as eleições de 2022.

Os manifestantes, na sua maioria jovens, gritavam palavras de ordem e empunhavam cartazes com dizeres como "voto livre, igual e transparente", "tratamento igual para todos os concorrentes", "votar no local de residência" e ainda "bilhete de identidade para todos os angolanos".

A iniciativa da UNITA foi anunciada na segunda-feira, 6, depois do Parlamento ter aprovado no dia 1 a Lei de Alteração da Lei Orgânica das Eleições Gerais apenas com votos a favor do MPLA, no poder, que no entanto foi vetada na quinta-feira, 9, pelo Presidente João Lourenço.

Apesar da oposição ter saudado ontem a decisão de Lourenço, a UNITA manteve a marcha que teve a adesão de outros partidos.

O Presidente da UNITA marcou presença no Largo Primeiro de Maio.

Em breves declarações à imprensa, Adalberto Costa Júnior disse que o seu partido “está preparado para ganhar as eleições” de 2022 e classificou de “passo importante” para a democracia o veto do Presidente.

Não há informações de distúrbios ou repressão policial, mas o evento ainda não terminou.==============

 

Em Angola, centenas de apoiantes da oposição reuniram-se este sábado (11.09) em Luanda para protestar contra alterações à lei eleitoral que, segundo afirmam, irão minar a transparência das eleições gerais do próximo ano.

O Presidente de Angola João Lourenço apresentou recentemente um projeto de lei que, entre outros aspetos, centraliza a contagem dos votos nas eleições, em vez de o fazer a nível de cada município e província.

Insatisfeito com a proposta, o principal partido da oposição, a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), manteve uma marcha neste sábado (11.09), apoiada por outros movimentos políticos e grupos da sociedade civil, para exigir "eleições livres e justas".

A UNITA propôs uma série de medidas para prevenir a alegada fraude, incluindo a identificação biométrica dos eleitores e o envolvimento da sociedade civil na contagem dos boletins de voto.

Protestos

Pelo menos uma centena de manifestantes reuniu-se na capital, agitando bandeira da UNITA e angolanas enquanto entoavam "MPLA fora".

Eles marcharam pelo centro da cidade segurando cartazes que diziam: "Exigimos os nossos direitos" e "queremos controlo biométrico". A polícia armada com bastões cercou a manifestação.

Entretanto, João Lourenço também suscitou controvérsia por querer alterar outra lei eleitoral, que recentemente submeteu à Assembleia Nacional com sugestões de emendas.

Eleito em 2017, depois de José Eduardo dos Santos ter deixado o posto que ocupou por 38 anos, João Lourenço deve buscar um segundo mandato nas eleições de 2022.

O MPLA tem governado o país africano desde a sua independência de Portugal, em 1975.

Rate this item
(0 votes)