Segunda, 04 de Março de 2024
Follow Us

Quinta, 30 Novembro 2023 21:41

Joe Biden promete visitar Angola e destaca importância da parceria entre os dois países

O Presidente norte-americano, Joe Biden, destacou hoje a importância e o impacto da parceria entre Angola e os Estados Unidos durante um encontro com o homólogo angolano, João Lourenço, e prometeu visitar o país africano.

"Encontramo-nos num momento histórico”, disse Biden a João Lourenço, no início de uma reunião entre ambos os líderes na Casa Branca.

Questionado por um jornalista se visitaria Angola, Biden respondeu: “Já estive lá e voltarei”.

“Encontramo-nos num momento histórico”, disse Biden. “O Estados Unidos está totalmente apostada em África. Estamos todos com Angola.”

Por sua vez, o chefe de Estado angolano considerou que Joe Biden foi o primeiro Presidente norte-americano a “mudar o paradigma da cooperação entre os Estados Unidos e o continente africano”.

"Nós estamos abertos a cooperar com os Estados Unidos da América em todos os domínios, incluindo economia, defesa e segurança, transportes e energia, telecomunicações, agricultura, exploração do espaço para fins pacíficos e outros domínios que foram do interesse" dos dois países, afirmou o líder angolano.

“Esta é uma nova página que foi virada nas relações EUA-África e isso graças a si, Senhor Presidente”, disse João Lourenço.

Joe Biden agradeceu ainda a João Lourenço pelo seu “trabalho pela paz” no leste da República Democrática do Congo, uma região abalada durante décadas por conflitos, e em particular pela rebelião do grupo armado M23 (Movimento 23 de Março).

 A reunião entre Biden e Lourenço durou menos de uma hora e, no final, numa breve declaração à imprensa que cobria o encontro, o chefe de Estado angolano disse haver uma "abertura total por parte do Governo dos Estados Unidos" e que Angola beneficiará com isso.

Os lobistas de João Lourenço solicitaram aos funcionários da administração Biden que organizassem a reunião entre os dois líderes durante meses, alertando que a ausência de um envolvimento de tão alto nível poderia comprometer o compromisso de Angola em trabalhar com os EUA.

“Enquanto outros países da África Austral fortalecem os laços com a China, o Presidente João Lourenço está a abandonar as relações históricas de Angola com a China (e a Rússia) em favor de uma parceria nova e estratégica com os Estados Unidos. Esta é uma mudança fundamental na política externa angolana”, escreveu o lobista Robert Kapla em Abril ao confidente de Biden, Amos Hochstein, de acordo com os registos de divulgação do lobista.

“Fomos informados de que se o Presidente Lourenço não conseguir reunir-se com o Presidente Biden este ano, existe um risco real de que o impulso positivo que ambos os lados geraram desde 2017 comece a perder força”, escreveu Kapla uma semana antes à Embaixadora Molly Phee, a secretário de estado adjunto para assuntos africanos.

A visita ocorre meses depois de Biden e aliados do Grupo dos 20 principais países ricos e em desenvolvimento terem revelado um Corredor Transafricano que liga o porto angolano do Lobito a áreas sem litoral do continente africano: a província de Katanga, na República Democrática do Congo, e a zona de cobre regiões mineiras da Zâmbia. Faz parte de um programa de infraestruturas global defendido por Biden que pretende ser um contrapeso à iniciativa do Cinturão e Rota da China.

“Eles são um parceiro estratégico e uma voz global crescente em questões de paz e segurança”, disse o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, na quinta-feira, acrescentando que os dois líderes discutiriam a cooperação económica e de segurança, bem como questões regionais e globais.

Grande parte do foco recente da política externa de Biden tem sido na guerra da Rússia na Ucrânia e nos combates entre Israel e o Hamas. Declarando que a liderança dos EUA “mantém o mundo unido”, o presidente democrata disse aos americanos num discurso no Salão Oval em Outubro que os EUA devem aprofundar o seu apoio à Ucrânia e a Israel no meio de duas guerras muito diferentes, imprevisíveis e sangrentas.

Biden prometeu visitar África em 2023 quando recebeu os líderes do continente em Washington em Dezembro passado, mas a Casa Branca recusou-se repetidamente a dizer quando fará a viagem e não há indicações de que ele esteja disposto a cumprir a promessa antes o ano Novo. Questionado na quinta-feira por um repórter se visitaria Angola, Biden disse apenas: “Já estive lá e voltarei”.

Texto integral em inglês: (Reportagem de Chris Megerian, Traduzido por Josè Lucas)

Rate this item
(0 votes)