Terça, 18 de Junho de 2024
Follow Us

Terça, 07 Mai 2024 17:52

Preço da corrida de táxi em Angola vai aumentar entre os 250 a 300 kwanzas - associação

As associações de táxis e o Governo angolano chegaram a acordo para rever o preço das tarifas, devendo o aumento, que poderá ser aplicado nos próximos dias, ser superior a 30% (250 a 300 kwanzas), disse fonte associativa.

Em entrevista à Rádio Nacional de Angola, o presidente da Associação Nacional dos Taxistas de Angola (ANATA), Francisco Paciente, adiantou que foi alcançado, na passada sexta-feira, um acordo entre o executivo e as associações e cooperativas de táxis para alterar a tarifa.

O aumento surge na sequência da remoção gradual dos subsídios aos combustíveis para aproximar o gasóleo e a gasolina dos preços de mercado.

O Governo começou por acabar com as subvenções à gasolina, em junho de 2023, mantendo isenções para algumas atividades como o transporte de táxi, através de cartões com ‘plafond’, mas também este benefício chegou ao fim no passado dia 30 de abril.

Com o preço atual da “corrida” nos 150 kwanzas (17 cêntimos), o Governo começou por propor um aumento para os 180 kwanzas (20 cêntimos), proposta com a qual os taxistas não concordaram, defendendo uma subida entre os 250 a 300 kwanzas (28 a 33 cêntimos), que aceitaram rever para 200 a 220 kwanzas (22 a 24 cêntimos), após as negociações .

“Já assinámos a ata para o Governo fazer a competente publicação do que vier a ser o preço da corrida de táxi, nos termos em que foram acordadas [pelas] partes”, adiantou Francisco Paciente, sublinhando que as associações não aceitam um aumento inferior a 200 kwanzas.

Os táxis privados de nove lugares, conhecidos como candongueiros ou “azuis e brancos”, são dos meios de transporte mais baratos e populares em Angola, com destaque para a capital, Luanda, onde circulam milhares de veículos deste género.

Questionado sobre a especulação nas tarifas, sobretudo em horas de ponta, o líder da ANATA responsabilizou o Governo por tardar em formalizar a atividade.

“Isto é que deveria reduzir o índice de especulação de preços e encurtamento de rotas”, defendeu, explicando que, atualmente, “não é possível aferir se os especuladores são taxistas ou não”, já que a atividade “não tem balizas”.

Outro dos motivos para a especulação é a escassez de oferta neste subsetor de transportes, apontou.

A ANATA já apresentou uma proposta de definição de rotas na província de Luanda, sendo este tema o próximo alvo das discussões com o executivo, depois do consenso sobre os preços.

A ANATA defende que as rotas deveriam ter no máximo 14 a 15 quilómetros, ao contrário do que acontece hoje, com rotas que variam entre os 3 e os 35 quilómetros.

Francisco Paciente salientou que os taxistas tenderão a escolher as mais curtas “porque sabem que vão cobrar o mesmo preço”, ficando as rotas mais longas deficitárias em termos de transporte.

“É preciso que o Governo coloque mão nisto”, apelou.

Rate this item
(1 Vote)
Last modified on Terça, 07 Mai 2024 18:00