Segunda, 04 de Julho de 2022
Follow Us

Quinta, 28 Outubro 2021 12:16

UPRA adia ano lectivo dos bolseiros por interferência da Associação dos Estudantes

A Universidade Privada de Angola (UPRA), anunciou nesta terça-feira, 26 de Outubro, o adiamento do ano lectivo 2021/2022 dos estudantes bolseiros, pelo facto de, a Associação dos Estudantes daquela instituição se ter interferido de forma alegadamente negativa na resolução dos problemas.

De acordo com o comunicado da UPRA, tal interferência, supostamente negativa, interrompeu o bom funcionamento da mesma, quer na dinâmica administrativa, bem como académica e científica.

O mesmo documento dirigido aos estudantes bolseiros, dá conta que a Universidade não tem condições de entregar as declarações de confirmação e frequência aos estudantes, pelo que não se responsabilizará pelos danos causados.

Por sua vez, a Associação dos Estudantes desmente as acusações da instituição, alegando que o estabelecimento de ensino, na verdade, pretende colocar os bolseiros contra esta organização estudantil.

Revelou, no entanto que, a UPRA entendeu optar pelo encerramento do ano lectivo, por estes se terem manifestado contra a subida das propinas no valor de 175.000 mil mensal.

O Movimento de Estudantes Angolanos (MEA) após tomar conhecimento do facto, condenou veementemente essa decisão e, pede urgentemente o posicionamento do Ministério do Ensino Superior, Justiça e dos Direitos Humanos, da Provedora de Justiça e demais órgãos competentes para que se reponha a justiça e a ordem.

"O Movimento de Estudante vai acompanhar de perto todo caso e promete levar o caso até as outras instâncias caso a Direcção da UPRA resista", assegurou o Secretário Nacional do MEA, Laurindo Mande.

Nesta terça-feira, 26 de Outubro, houve a detenção de cerca de 28 Estudantes Universitários da UPRA, durante uma manifestação contra a subida de propinas e emolumentos, falta de condições para além da proibição de entrada dos estudantes na referida instituição.

Algumas horas depois, a Esquadra do Talatona, soltou 24 dos 28 estudantes, sendo que, os outros 4 restantes serão julgados esta quarta-feira, 27, no Tribunal do Benfica.

Rate this item
(0 votes)