Sexta, 18 de Junho de 2021
Follow Us

Sexta, 05 Março 2021 18:45

Jornalista acusado de “ultraje” contra PR angolano queixa-se de “intimidação”

O jornalista angolano Mariano Brás, que considerou o Presidente angolano como a “pior figura do ano 2020, demagogo e hipócrita”, afirmou hoje que está a ser vítima de “intimidação das autoridades”, depois de ter sido indicado pelo “crime de injúria”-

“Disseram-se que estou a ser acusado de ofensa à autoridade, ou seja, entenderam que tratar o Presidente da República como demagogo e hipócrita era uma ofensa. O processo está em curso na direcção de Crime Organizado do Serviço de Investigação Criminal (SIC)”, afirmou hoje Mariano Brás em declarações à Lusa.

O jornalista disse que, na sequência de uma notificação, foi ouvido uma única vez pelo SIC, em Luanda, no passado dia 12 de fevereiro, num processo, narrou, em que inicialmente aparecia como declarante.

“Surpreso” pela notificação, o profissional de comunicação disse ter sido informado, já nas instalações do SIC, que “estava a ser processado pelo Presidente da República, em função da matéria” publicada no jornal "O Crime".

Mariano Brás é diretor do jornal angolano “O Crime” que na edição de 26 de Dezembro de 2020 fez uma capa com a figura do Presidente angolano, João Lourenço, classificando-o como a “pior figura do ano 2020, demagogo e hipócrita”.

Segundo o jornalista, a sua equipa redatorial na publicação decidiu eleger o Chefe de Estado angolano como a “pior figura do na 2020” porque “ao longo da campanha eleitoral, em 2017, até a sua investidura prometeu coisas que não foram cumpridas”, bem como sinais de nepotismo e de corrupção.

Concorreu igualmente para a decisão do jornal “O Crime”, adiantou, o não cumprimento da promessa dos 500 mil empregos, prometidos durante a campanha eleitoral.

Hoje, o "angolano continua mais pobre, até já atingindo o nível de mendigo", pelo que "elegemos em função de tudo isso o Presidente João Lourenço como a pior figura de 2020”, explicou.

O jornalista fez saber que já constituiu advogado, não voltou a ser ouvido novamente, mas, observou, na primeira audição os oficiais do SIC “foram evasivos, levantaram muitas questões do foro pessoal, como onde vivia e quem estava por detrás da publicação” que dirige.

Questões, referiu, “que nada tinham a ver com o processo”, recordando que em alguns momentos da audição se sentiu intimidado, “sobretudo quando os investigadores do SIC queriam que tirasse a máscara e os óculos” do rosto.

Mariano Brás e Rafael Marques foram absolvidos pelo Tribunal Provincial de Luanda, em 2018, num processo movido pelo ex-Procurador-Geral da República, João Maria de Sousa, em que eram acusados de crimes de injúria e ultraje ao órgão de soberania.

Em declarações aos jornalistas, naquela ocasião, Mariano Brás, disse que o “país estava a melhorar” em função da sua absolvição.

Hoje, o jornalista considera que se assiste a "um retrocesso no país em termos das liberdades fundamentais”, temendo que, caso o seu caso vá a julgamento, acabe condenado pela justiça, ao contrário do que sucedeu no passado.

“E, não acredito, que o juiz que estará a liderar o processo tenha a mesma coragem de julgar, condenar ou absolver, por exemplo, com lisura e transparência”, rematou.

Comité para a Proteção dos Jornalistas pede que Angola pare “assédio” contra jornalista

O CPJ - Comité Para a Proteção dos Jornalistas apelou às autoridades angolanas para pararem o “assédio” contra o jornalista Mariano Brás, pedindo que “retirem quaisquer acusações” e “permitam que a imprensa cubra o Presidente do país sem medo”.

“As autoridades angolanas devem imediatamente parar a sua investigação ao jornalista Mariano Brás pela sua cobertura do Presidente João Lourenço e retirar quaisquer acusações contra ele”, afirmou a coordenadora do programa para África do CPJ, Angela Quintal, citada na noite de quinta-feira pelo portal da organização.

A coordenadora acrescentou que o Presidente angolano “deve dar o exemplo ao mostrar que, enquanto responsável público, não está acima do escrutínio da imprensa”.

“Um bom local para começar seria a revogação das leis de difamação e de insulto de Angola, que são uma violação do direito à liberdade de expressão”, sugeriu a ativista.

À Lusa, Mariano Brás, que considerou o Presidente angolano como a “pior figura do ano 2020, demagogo e hipócrita”, afirmou hoje que está a ser vítima de “intimidação das autoridades”, depois de ter sido indiciado pelo “crime de injúria”.

“Disseram-se que estou a ser acusado de ofensa à autoridade, ou seja, entenderam que tratar o Presidente da República como demagogo e hipócrita era uma ofensa. O processo está em curso na direção de Crime Organizado do Serviço de Investigação Criminal (SIC)”, afirmou hoje Mariano Brás em declarações à Lusa.

O jornalista disse que, na sequência de uma notificação, foi ouvido uma única vez pelo SIC, em Luanda, em 12 de fevereiro, num processo em que inicialmente aparecia como declarante.

O CPJ referiu que numa chamada com o diretor do SIC, Arnaldo Carlos, este “rejeitou comentar a investigação ou confirmar os detalhes da queixa contra Brás”, assinalando que o porta-voz da presidência não respondeu aos vários contactos feitos pela organização.

Mariano Brás é diretor do jornal angolano “O Crime” que na edição de 26 de dezembro de 2020 fez uma capa com a figura do Presidente angolano, João Lourenço, classificando-o como a “pior figura do ano 2020, demagogo e hipócrita”.

Segundo o jornalista, a sua equipa redatorial na publicação decidiu eleger o chefe de Estado angolano como a “pior figura do na 2020” porque “ao longo da campanha eleitoral, em 2017, até à sua investidura prometeu coisas que não foram cumpridas”, bem como sinais de nepotismo e de corrupção.

Concorreu igualmente para a decisão do jornal “O Crime”, adiantou, o não cumprimento dos 500 mil empregos, prometidos durante a campanha eleitoral.

Mariano Brás e Rafael Marques foram absolvidos pelo Tribunal Provincial de Luanda, em 2018, num processo movido pelo ex-procurador-geral da República, João Maria de Sousa, em que eram acusados de crimes de injúria e ultraje ao órgão de soberania.

Em declarações aos jornalistas, naquela ocasião, Mariano Brás, disse que o “país estava a melhorar” em função da sua absolvição.

Hoje, o jornalista considerou que se assiste a "um retrocesso no país em termos das liberdades fundamentais”, temendo que, se o seu caso for a julgamento, acabe condenado pela justiça, ao contrário do que sucedeu no passado.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up