Quinta, 28 de Outubro de 2021
Follow Us

Segunda, 13 Setembro 2021 11:52

Celso Malavoloneke pede desculpas ao sindicato dos jornalistas e deixa apelos para Graça Campos

Num post que fiz ontem sobre a violência contra os jornalistas, duvidei que o SJA se fosse pronunciar contra. Logo depois vi um post do Teixeira Cândido condenando inequivocamente a agressão; em função disso retirei a alusão a essa dúvida, mas não enderecei um pedido explícito de desculpas.

Faço-o agora ao Teixeira Cândido que não foi meu colega de sala como o Graça Campos erradamente diz mas colega de curso e Universidade.

Fui lembrado desse lapso pelo Graça Campos, mas mais uma vez, de forma tão mal educada que desta vez compro mesmo a briga. Aturei demais e se o Graça quiser, vamos até o fim. Estou cansado de ser atacado e não responder. Não faz o meu género ser alvo de frustrações que não causei.

Por agora umas poucas notas:
1 - Tive e espero continuar a ter um grande respeito pelo GC. Em 2004 leu um texto meu escrito a partir da Libéria e pediu-me para ser colunista do jornal que dirigia. Com o tempo foi-me confiando dossiers que exigiam alguma complexidade.

A única vez que fui parar ao Tribunal foi solidariamente com o Director do Semanário Angolense por causa das matérias sobre a IURD. Em todo esse processo nunca cobrei um tostão.

Há duas coisas que o Graça fez que me merecem gratidão eterna: quando terminei a minha licenciatura, pagou um almoço para 100 convidados na Casa 70 e quando vendeu e saiu do Semanário Angolense deu-me 1.500 USD.

O único pagamento que fez em cerca de 6 anos de colaboração. Também nunca pedi salário pois apenas queria praticar jornalismo em função do curso que seguia. A única vez que fui a uma manifestação foi uma vigília para a libertação do Graça preso por conta de uma queixa de Paulo Tjipilika (meu primo-irmão por afinidade). Deixei-me fotografar abraçado à esposa e quase fui despedido do UNICEF). Essa é a razão pela qual nunca respondi aos repetidos ataques do Graça.

2 - Não é verdade, portanto, que eu era "um colaboradorzito" como já disse publicamente. Tanto assim é que pediu-me expressamente que não abandonasse o SA e apoiasse o novo Director. Por conta disso, o Salas Neto (esse sim) ofereceu-me um salário de 2.000 USD/mês e deu-me a responsabilidade de escrever as matérias de capa. O próprio SN disse quando saí que fiz "mais de 90% das grandes matérias do jornal". Nunca entendi as motivações do GC em diminuir um trabalho que está à vista de todos e do qual nunca me gabei (nem preciso, quem chegou a Secretário de Estado não se gabará por isso). Ou melhor, entendi como explicarei adiante.

3 - A súbita "raiva" ou "rancor" surgiu ao mesmo tempo que assumi a militância no MPLA e aceitei nessa condição fazer parte do painel do "Conversas Entrecruzadas" do João de Almeida . Coincidência? Na altura já era patente o "ódio" do GC a tudo o que cheirasse o executivo e o partido que o sustenta. Os motivos, claro, só ao Graça dizem respeito. Esse "fervor" era (é) tão arraigado que não se coíbe insultar e ofender pessoas que até têm por ele muito carinho, desde que se identifiquem com o maioritário. Os amigos e familiares que conhecem a minha consideração por ele vão dizendo que isso não é normal. Razões portentosas estarão por trás destes ataques absolutamente gratuitos.

4 - Quanto a mim, tenho a dizer ao Graça o seguinte:

a) Para mim, tu podes até estar ao serviço da UNITA, como se diz; não vejo mal nisso e continuas a mesma pessoa. Claro que preferia que assumisses às claras como eu, mas também conheço a política o suficiente para saber que pode ser uma boa estratégia pareceres jornalista para melhor fazeres passar a nensagem desse partido. A minha consideração pessoal e profissional não se afectam por isso. Sou parente ou amigo de grande parte dos líderes da UNITA e desde 1992 tenho um histórico de separação das águas que tu nem conheces mas a UNITA sim.

b) Não precisas por isso de (des)tratar-me como inimigo. Nem os próprios da UNITA o fazem. Nem precisas denegrir ou diminuir a minha trajectória profissional; os lugares onde servi, tu nem sonhas algum dia pôr os pés muito menos falar ou escrever, até porque já não vais mesmo a tempo. Não sou superior a ti por isso, muitíssimo menos inferior. Eu sou eu, tu és tu. Ambos podemos conviver na base do respeito pelas diferenças. Esses arroubos parecem-se com (essa sim) vil inveja e não precisas disso.

c) Vamos discordar? Sim, muitas vezes o fizémos. Na boa, com amizade, sem nomes feios pelo meio. Permito-te que me chames "kilombo kiahasa" porque sempre acreditei na limpidez do teu coração. Não me convenças que estou enganado, pois perderás algo complicado na nossa idade. A amizade genuína acima de pruridos outros que a vida sempre traz.

d) É claro que a escolha é tua. Como vês, decidi levantar a luva. Já não tenho as limitações que os cargos me impunham, portanto se quiseres continuar por esse caminho de ataques "ad homini"... vamos a isso! O tempo que levar. Só não te esqueças que por força da idade tenho mais fôlego que tu.
Boa tarde de domingo, (ainda espero) amigo.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up