Segunda, 20 de Setembro de 2021
Follow Us

Terça, 25 Mai 2021 13:19

Negócio com Bento Kangamba originou a investigação que culminou na detenção de Major Lussaty

Uma fonte da Casa de Segurança da Presidência da República, de cuja identidade repousa sob anonimato, revelou que a operação integra "um esquema antigo em que estão envolvidos muitas altas patentes" das Forças Armadas Angolanas (FAA).

De acordo com as suas declarações, o major Pedro Lussaty, vinha a ser seguido após um negócio com o general Bento Kangamba, a quem terá vendido uma residência na Espanha.

À dada altura, as autoridades espanholas alertaram as suas congéneres angolanas, sobre a existência de um novo dono da referida residência, tendo o o general Bento Kangamba sido notificado, por três vezes, porém a nenhuma destas notificações o mesmo compareceu.

Desde aquela data para cá, as autoridades judicais passaram a seguir o major Pedro Lussaty, o qual "fizeram o devido levantamento da sua ficha em Luanda".

A fonte, revelou ainda que o referido montante é colocado fora do sistema bancário, através do saco azul da Presidência, com o qual se fazem diversos pagamentos sem necessidade de justificativos.

Com o efeito, os militares envolvidos no esquema conseguem manejar avultadas somas de dinheiro fora do sistema bancário.

No ano passado, ainda segundo a fonte que temos vindo a citar, "vários oficiais pertencentes a este esquema foram detidos e aguardam por julgamento".

Refira-se que, a limpeza que o presidente da República, João Lourenço efectuou surge nesta segunda-feira, 24 de Maio, surge dias depois do major Pedro Lussaty, oficial da FAA em serviço na Presidência e chefe das finanças da banda musical, ter sido detido no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro, quando tentava viajar para o exterior de Angola, com mais de 10 milhões de dólares e quatro milhões de euros, respectivamente.

Em uma nota de imprensa, a Casa Civil da Presidência da República informou que “depois de ouvido o Conselho de Segurança Nacional", João Lourenço exonerou os tenentes-generais Ernesto Guerra Pires, do cargo de consultor do ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Angelino Domingos Vieira, do cargo de secretário para o Pessoal e Quadros, José Manuel Felipe Fernandes, do cargo de secretário-geral da Casa de Segurança do Presidente da República.

O Presidente exonerou ainda João Francisco Cristóvão, do cargo de director de Gabinete do Ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Paulo Maria Bravo da Costa, do cargo de secretário para Logística e Infra-Estruturas da Casa de Segurança do Presidente da República, e o brigadeiro José Barroso Nicolau, do cargo de assistente principal da Secretaria para os Assuntos dos Órgãos de Inteligência e Segurança de Estado.

De salientar que, a mesma nota não apresenta as razões do afastamento dos seis oficiais superiores das FAA, que trabalhavam na Casa de Segurança, nem nomeia os seus substitutos.

Rate this item
(1 Vote)

Log in or Sign up