Segunda, 15 de Abril de 2024
Follow Us

Quarta, 12 Março 2014 06:04

Ativista Rafael Marques estar vivo prova que Angola é democracia - Paulo de Carvalho

O sociólogo angolano Paulo de Carvalho defendeu hoje, em Lisboa, que o facto de o ativista dos direitos humanos Rafael Marques estar vivo é a prova de que Angola é uma democracia.

"Quando as pessoas -- e alguns políticos, inclusivamente - dizem que em Angola vigora um sistema ditatorial, isso não é verdade", sustentou o professor catedrático da Faculdade de Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto, em Luanda, numa conferência proferida, a convite do Centro de Estudos Africanos do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP) de Lisboa, subordinada ao tema "Sistema democrático e direitos de cidadania em Angola".

Para sustentar essa sua convicção, Paulo de Carvalho contou um episódio ocorrido há tempos na Fundação Mário Soares, em Lisboa, em que o jornalista e ativista dos direitos humanos criticou o regime angolano, tendo-lhe o académico respondido: "Se em Angola houvesse um sistema ditatorial, tu, meu amigo Rafael Marques, não estarias aqui a falar para nós, estaríamos nós a chorar na tua campa".

"Estava eu a fazer a minha tese de doutoramento quando recebi um convite da Fundação Mário Soares para ir a uma conferência (...) e o que se dizia por lá era que em Angola vigorava um sistema ditatorial -- eram angolanos que estavam a dizê-lo -- e eu, no final, pedi a palavra, Mário Soares não ma queria dar, mas eu insisti e disse: 'Acho que não fica bem nós virmos para aqui aldrabar, dizer que Angola é uma coisa que não é'", relatou.

"No final, recebi uns 'recados' das pessoas que lá estavam, não vou citar os nomes, dizendo 'pronto, é verdade, mas isso não deve ser dito assim, aqui fora', mas eu acho que temos de ser justos, corretos, e se queremos fazer política, como era o caso dessas pessoas [que estavam na conferência], tem de haver um mínimo de honestidade intelectual", frisou.

Segundo o sociólogo, Rafael Marques só tem visibilidade pública precisamente porque lhe foi permitido publicar os seus textos na imprensa angolana, o que prova que existe liberdade de expressão, que não há censura, e isso só reforça a sua tese de que Angola é uma democracia.

"Se Rafael Marques tivesse sido morto, era mais um, era um desconhecido. Mas foi o sistema angolano que, por ser democrático, o tornou conhecido", insistiu.

Rafael Marques, autor do livro "Diamantes de Sangue", publicado apenas em Portugal, pela editora Tinta-da-China, é alvo de um processo movido, em Lisboa, por nove oficiais angolanos visados pelo trabalho de investigação sobre as violações dos direitos humanos nas Lundas, zona diamantífera de Angola.

Noticias ao minuto

Rate this item
(0 votes)