Domingo, 29 de Mai de 2022
Follow Us

Da dedicação e desempenho na concepção das ideias da manifestação, legalização e frontalidade para com as autoridades na comunicação oficial e divulgação, ao sacrifício no cumprimento corajoso da promessa ao povo da realização do protesto “Chega de chacinas em Angola” aos 27 de Maio de 2014, foi de certeza um percurso desafiador e heróico, que mereceu a ironia de sermos desumanamente capturados diante da estátua de António Agostinho Neto no Largo da Independência em Luanda, para sermos atirados à escassos metros do Centro Cultural António Agostinho Neto em Catete, na Província do Bengo.

Tudo indica que o presidente de Angola, Sr José Eduardo dos Santos, nunca esteve interessado na criação da grande comissão de verdade e de reconciliação nacional em Angola, que contemplasse o perdão mútuo entre todos os filhos e filhas da terra Angolanos desavindos.

Está no seu direito. Mas para satisfazer as suas tendências tem de saber que há limites. O Presidente Agostinho Neto conduziu os angolanos num processo revolucionário que terminou com a Independência Nacional. A luta foi difícil, os obstáculos a transpor, inumeráveis. Os perigos eram muitos, a missão exigia mais sacrifícios do que permitia a força humana.

De modo nenhum me agrada ser antipático. Mas o que tenho para dizer e sempre o disse em todos estes anos obriga-me agora a repetir o gesto: o da necessidade de soltar um grito enérgico de protesto contra a classe política do partido-Estado em Angola que, em mais de três décadas, se tem recusado a enfrentar a verdade sobre os fatídicos acontecimentos do 27 de Maio de 1977.

Sexta, 23 Mai 2014 08:00

O Perigo de uma única história

“Quando rejeitamos a história única, quando nos apercebemos que nunca há uma história única sobre nenhum lugar reconquistamos uma espécie de paraíso”.

Benguela - O Jovem activista angolano`` Saly Cruz´´ considera paralogismo da oposição dizer que censo populacional não ira resolver problemas sociais e que não existe vontade política em resolver os problemas do povo.

Como se estivéssemos a ser presenteados com um sambapito, há acções que começam antes das eleições, mas depois de o vencedor se instalar no poleiro, não há continuidade.

A recente visita do Secretário de Estado Norte Americano a Angola, John Kerry, demonstra que os Estados Unidos da América estão mesmo interessados em arrumar a casa no continente negro, particularmente em países como Angola, cujos regimes são reticentes em termos do verdadeiro avanço da democracia, em especial na África Subsaariana.

Página 271 de 288