Sábado, 25 de Setembro de 2021
Follow Us

Segunda, 12 Julho 2021 16:21

Rússia critica desestabilização e "ingerência estrangeira" em Cuba

A Rússia criticou hoje qualquer "ingerência estrangeira" na crise social em Cuba, país aliado de Moscovo, onde as autoridades enfrentam protestos de larga escala contra o poder comunista.

"Consideramos inaceitável qualquer ingerência estrangeira nos assuntos internos de um Estado soberano e qualquer outra ação destrutiva que promova a desestabilização da situação na ilha", disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, em comunicado.

"Estamos convencidos de que as autoridades cubanas estão a tomar todas as medidas necessárias para restaurar a ordem pública, no interesse dos cidadãos do país", acrescentou a diplomacia russa, dizendo que está a "acompanhar de perto a evolução da situação em Cuba e nos arredores".

Apanhadas de surpresa pelas manifestações espontâneas que eclodiram em várias cidades do país, em particular em Havana, as autoridades cubanas declararam-se dispostas a defender a revolução "a todo o custo".

Os Estados Unidos já expressaram a sua preocupação com a situação em Cuba, avisando que denunciarão qualquer uso de violência contra "manifestantes pacíficos".

As relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos - após uma breve reconciliação entre 2014 e 2016, no mandato do ex-Presidente Barack Obama --, estão no seu ponto mais baixo desde o tempo de Donald Trump, que reforçou o embargo em vigor desde 1962, denunciando violações de direitos humanos e o apoio de Havana ao Governo venezuelano de Nicolas Maduro.

A Rússia tem sido um dos principais apoiantes das autoridades comunistas em Cuba desde a era soviética.

As manifestações do passado fim de semana foram os maiores protestos anti-Governo de que há registo na ilha desde o chamado "maleconazo", quando em agosto de 1994, em pleno "período especial", centenas de pessoas saíram às ruas de Havana e não se retiraram até à chegada do então líder cubano Fidel Castro.

Desde o início da pandemia da covid-19, em março de 2020, os cubanos enfrentam maior escassez de alimentos, medicamentos e outros produtos básicos, o que gerou um forte mal-estar social.

Estas manifestações aconteceram no dia em que Cuba registou um novo recorde diário de contágios e mortos devido à covid-19, com 6.923 novos casos nas últimas 24 horas, num total de 238.491, e 47 mortos, subindo o total desde o início da pandemia para 1.537.======

ONU pede a Cuba para respeitar a liberdade de expressão dos cidadãos

A ONU disse hoje que está a acompanhar o desenrolar dos protestos em Cuba e destacou a necessidade de as autoridades respeitarem integralmente a liberdade de expressão e de reunião dos cidadãos.

“Estamos a acompanhar o que acontece e (…) assegurarmo-nos de que os direitos básicos das pessoas, especialmente a liberdade de expressão e a liberdade de reunião pacífica, serão respeitados”, disse o porta-voz da ONU Farhan Haq, quando interrogado sobre a situação em Cuba, durante uma conferência de imprensa.

Haq destacou que, perante as manifestações de domingo em Cuba, as Nações Unidas mantêm a sua "posição de princípio" sobre a importância de respeitar essas liberdades fundamentais.

Questionado sobre as alegadas agressões sofridas por jornalistas, incluindo um repórter fotográfico de uma agência noticiosa internacional, o porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, sublinhou que “em qualquer parte do mundo a imprensa deve ter liberdade para fazer o seu trabalho sem perseguições e sem violência ou ameaças de violência".

Milhares de cubanos saíram às ruas no domingo para protestar contra o Governo, com gritos de liberdade, perante confrontos com as autoridades que detiveram dezenas de pessoas, enquanto o Presidente cubano, Miguel Díaz-Canel convocava os seus apoiantes para defender a revolução.

Estes foram os maiores protestos anti-Governo de que há registo na ilha desde o chamado “maleconazo”, quando em agosto de 1994, em pleno “período especial”, centenas de pessoas saíram às ruas de Havana e não se retiraram até à chegada do então líder cubano Fidel Castro.

Os Estados Unidos já manifestaram a sua “preocupação” perante a reação das autoridades cubanas face aos manifestantes e a Rússia disse que não aceitará “ingerências” de países terceiros contra Cuba.

Numa comunicação televisiva, hoje, Díaz-Canel acusou os Estados Unidos de estarem por detrás dos protestos, com o objetivo de “mudar o regime”.

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up