Domingo, 25 de Fevereiro de 2024
Follow Us

Terça, 18 Julho 2023 22:23

Embaixador português diz que empresas em Angola estão presentes nas horas “boas e menos boas”

O embaixador português em Luanda disse hoje que as empresas portuguesas em Angola estão presentes "nas horas boas e menos boas", sublinhando que é preciso "esperar para ver" os efeitos das medidas do governo angolano para ultrapassar a conjuntura adversa.

Francisco Alegre Duarte falava hoje aos jornalistas após um encontro de empresários portugueses e angolanos organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola.

O diplomata destacou o balanço positivo até meados de 2023, que culminou com a ida do primeiro-ministro António Costa a Angola, com "um sinal de confiança inequívoco à economia de Angola" que se traduziu num reforço do financiamento de 1500 para 2000 milhões de euros.

"Uma grande ajuda para Angola e para as empresas portuguesas" numa altura em que a capacidade de financiamento externo está "em retração", acrescentou.

Sobre as dificuldades que se colocam atualmente às empresa, confirmou que a conjuntura é "mais adversa", verificando-se nas últimas semanas uma depreciação acentuada do kwanza e tendência de subida da inflação, mas acredita que as medidas que estão a ser tomadas pelo governo angolano surtirão efeito.

"Temos de esperar um pouco para ver", disse o responsável, frisando que as empresas portuguesas que estão em Angola "estão nas horas boas e más, nas horas boas e menos boas", indicando que as dificuldades e os problemas se podem transformar em oportunidades.

"Acho que esta conjuntura mais difícil é um incentivo para concretizarmos a diversificação económica em Angola em setores chave como o agroalimentar, industria ou turismo", sugeriu, afirmando que as empresas portuguesas e de capitais mistos estarão na linha da frente em todos estes setores.

Sobre o pacote de medidas aprovado na sexta-feira pelo governo angolano, que além de medidas de apoio a produção nacional e estímulos a economia, contempla também medidas fiscais e cortes no investimento, considerou "natural que num contexto de escassez de divisas haja dificuldades acrescidas".

Ainda assim deixou uma mensagem de "serenidade e confiança" aos empresários: ""estamos em contacto permanente com as nossas empresas, estamos a acompanhar de perto e a ouvir os nossos empresários, vamos esperar para ver".

Em declarações aos jornalistas à margem do encontro, o presidente da Câmara de Comércio e Indústria Portugal-Angola (CCIPA) considerou também que as empresas apesar de “naturalmente receosas” são capazes de reagir ao atual contexto económico

“O mais importante é saberem reagir aos desafios”, disse o responsável desta estrutura associativa sublinhando que a palavra-chave é “incerteza” já que não se sabe se a atual conjuntura será de curto, médio ou longo prazo

“As empresas estão a ser cautelosas, mas não quer dizer que não acreditem que melhores tempos virão. Obviamente têm de ser resilientes e as empresas portuguesas têm estado em Angola numa perspetiva de longo prazo”, complementou.

Rate this item
(0 votes)