Quinta, 01 de Dezembro de 2022
Follow Us

Terça, 14 Dezembro 2021 10:23

Médicos ameaçam abandonar bancos de urgência dos hospitais onde há militares a trabalhar

O presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola, Adriano Manuel, apela os profissionais da Saúde a cessarem de imediato a actividade laboral, nos hospitais onde há militares a trabalhar em substituição dos efectivos que desde o dia 06 de Dezembro se encontram em greve.

O pediatra, considera o facto de haver militares a trabalhar nas unidades de saúde, uma situação ilegal por estar a decorrer uma negociação com o órgão de tutela, tendo revelado que a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta tem atropelado a lei.

Os médicos, assegura, em momento algum vão deixar de exercer as suas funções, por isso é que os serviços mínimos estão garantidos para a população, o que torna injustificável a presença de médicos militares nos hospitais públicos.

Para Adriano Manuel, a presença destes militares nos hospitais subentende um atropelo à lei, segundo a qual nenhuma instituição em greve pode substituir grevistas por outros profissionais, enquanto decorrem negociações.

"Nós temos uma cidadã, a Sílvia Lutucuta que nos parece gozar de todas as prerrogativas que nenhum angolano mais goza. É a cidadã que infelizmente está sempre atropelar a lei", denunciou o presidente sindical.

O pediatra Adriano Manuel, precisou, a título de exemplo que, Sílvia Lutucuta para além de agora estar a substituir os médicos, orientou ao Director do hospital pediátrico David Bernardino, a transferência para os Recursos Humanos do ministério da Saúde, extrapolando uma vez mais a lei sindical.

"Nós estamos a chamar atenção que se retirem nos hospitais em que os médicos militares estão. Nós estamos a pedir a sua retirada incondicional, sob pena de abandonarmos o bancos de urgência nesses hospitais onde os militares estão, até porque se o objectivo é assegurar o bancos de urgência então os militares poderão aguentar os bancos de urgência e nós vamos apenas trabalhar nas unidades de cuidados intensivos e de hemodiálise", disse.

Ao governo de Angola, o Sindicato Nacional dos Médicos exige a retirada dos médicos militares que se encontram a trabalhar nas unidades de saúde de todo o país.

Assim, Adriano Manuel, presidente do Sindicato Nacional dos Médicos de Angola, denunciou publicamente a requisição civil tida como ilegal, de médicos das FAA para entrarem no sector civil para exercerem medicina, enquanto outros profissionais de saúde civis estão em greve.

Rate this item
(1 Vote)