Quinta, 20 de Junho de 2024
Follow Us

Sexta, 03 Mai 2024 14:10

UNITA exorta autoridades angolanas a acabar com perseguições a jornalistas e ativistas cívicos

A UNITA, oposição angolana, manifestou hoje “preocupação” face às violações dos direitos e liberdades fundamentais dos jornalistas por agentes do Estado angolano, exortando as autoridades a pôr termo às perseguições contra jornalistas, líderes políticos e ativistas cívicos.

Numa declaração a propósito do Dia da Liberdade de Imprensa, que hoje se celebra, o principal partido da oposição angolana solidarizou-se com a luta dos jornalistas “por uma imprensa verdadeiramente independente do poder instituído” e condenou “a contínua manipulação, coação, censura e partidarização dos órgãos de comunicação social públicos”.

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) exortou também as autoridades do Estado “para que ponham termo às perseguições contra jornalistas, líderes políticos e ativistas cívicos, a censura, coação e prisões arbitrárias, por exercerem as suas liberdades constitucionalmente consagradas”.

Também o MPLA, partido do poder em Angola desde 1975, se associou à efeméride “fazendo votos de êxitos no trabalho de construção de uma imprensa cada vez mais livre”.

O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) solicitou “atenção especial” dos jornalistas aos temas ambientais e exortou a classe jornalística ao “proveito responsável da liberdade de imprensa, pautado pela ética e deontologia profissional”, tendo como bússola a Constituição angolana e a lei.

“O MPLA reconhece que só com o exercício de um jornalismo livre, isento, plural e responsável é possível a promoção e manutenção da paz e dos inalienáveis valores do Estado democrático de direito”, conclui a declaração do Bureau Político do Comité Central do MPLA.

Angola, Brasil e Portugal contrariaram a tendência de descida dos países lusófonos no Índice Mundial da Liberdade de Imprensa publicado hoje pela organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

Angola, que no ano passado foi o pior classificado dos lusófonos no mapa da liberdade de imprensa, subiu 21 posições para 104.º lugar (125.º em 2023).

Rate this item
(0 votes)