Sábado, 22 de Junho de 2024
Follow Us

Segunda, 22 Agosto 2022 18:43

CNE diz que ficheiro de eleitores teve “bom” na auditoria, mas desconhece-se conteúdo

A Comissão Nacional Eleitoral (CNE) aprovou hoje o relatório da auditoria aos ficheiros que serviram para elaborar os cadernos eleitorais, revelando que está em conformidade e classificado como “bom”, sem divulgar o conteúdo.

Na passada sexta-feira, o porta-voz da CNE disse que o órgão promoveu uma auditoria aos ficheiros e à solução tecnológica do processo eleitoral, após várias críticas da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), principal partido da oposição angolana, prometendo que o relatório seria tornado público.

A dois dias da realização das eleições, Lucas Quilundo anunciou que o relatório foi hoje aprovado em sessão plenária, mas não deu esclarecimentos sobre os conteúdos.

“O plenário apreciou e aprovou o relatório, tendo como conclusão essencial, por parte da empresa que auditou esses dois instrumentos, numa escala de zero a cinco, atribuiu a classificação de ‘bom’ pelo que a auditoria está em perfeitas condições e em consonância com os princípios que regem a organização”, a nível da gestão e proteção de dados, disse o responsável da CNE.

A auditoria à solução tecnológica e ao Ficheiro Informático de Cidadãos Maiores (FICM) foi realizada pela empresa italiana Intellera, que venceu o concurso público internacional de prestação deste serviço, em que participaram, segundo a CNE, oito empresas e que decorreu em março.

Sobre o que foi auditado em concreto, Lucas Quilundo nada disse, escusando-se a responder às perguntas dos jornalistas, indicando apenas que a auditoria não visou excluir ou expurgar elementos que constem da base de dados, designadamente eleitores mortos.

“Visou aferir a sua conformidade aos princípios que regem a realização de qualquer auditoria a esse tipo de ferramentas”, declarou.

Em declarações à Lusa, Horácio Junjuvili, o mandatário da UNITA junto da CNE, adiantou que o relatório contém “imensas imprecisões “ e que não continha data, o que impede de saber quando foi feito, como e em que condições.

Adiantou ainda que estiveram presentes o presidente da CNE, bem como os comissários eleitorais e quatro mandatários de partidos políticos, mas estes não tiveram acesso ao relatório.

Rate this item
(0 votes)