Quarta, 06 de Julho de 2022
Follow Us

Terça, 15 Março 2022 18:21

Portugueses foram os que mais adquiriram nacionalidade angolana nos últimos quatro anos

O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos de Angola, Francisco Queirós, anunciou hoje que mais de 600 cidadãos, maioritariamente portugueses e são-tomenses, adquiriram a nacionalidade angolana, por casamento ou naturalização, entre 2017 e 2022.

A informação foi avançada esta terça-feira pelo governante angolano durante uma cerimónia em que 13 cidadãos estrangeiros, incluindo portugueses, juraram fidelidade à pátria, à Constituição e às leis angolanas após adquirirem a nacionalidade por naturalização.

Francisco Queirós pediu aos novos compatriotas que continuem “a contribuir para o progresso e desenvolvimento económico e social de Angola”.

Portugueses lideram a lista de estrangeiros, que na atual legislatura angolana, entre 2017 e 2022, adquiriram a nacionalidade angolana, seguidos de são-tomenses, cabo-verdianos e brasileiros.

Felícia de Almeida Fraga, portuguesa casada com um angolano e residente em Angola desde 1989, citada hoje pela Angop, disse, na ocasião, que o processo de aquisição da nacionalidade angolana “foi moroso, mas normal”.

Há mais de 10 anos em Angola, António Manuel Pereira, natural de São Tomé e Príncipe, considerou que se identifica com o país e com a sociedade angolana, como refere a Agência Angolana de Notícias.

O processo de atribuição da nacionalidade angolana, por casamento ou naturalização, é presidido por uma comissão de acompanhamento, nos termos da lei que aprova o regulamento da nacionalidade.

Rate this item
(1 Vote)