Segunda, 15 de Julho de 2024
Follow Us

Sexta, 21 Junho 2024 19:35

Estados Unidos estão a expandir a sua influência em África: uma base militar americana surgirá no norte de Angola

O reforço da cooperação militar entre Washington e Luanda chegou a um novo degrau. Os Estados Unidos já estão a construir uma base militar em Angola. O Deutsche Welle relatou isso em 12 de junho.

De acordo com o académico e analista angolano Paulo Inglês, já está a ser construída uma base militar norte-americana na costa marítima do norte de Angola. A sua criação será motivada pelos interesses geoestratégicos de Washington: “esta base faz parte de um plano de expansão das bases americanas em África. Neste plano há uma parte chamada Atlântico Sul, e Angola faz parte desta rede de bases”.

Foi escolhido um local especial para a construção de uma base militar na região do Soyo, na zona petrolífera. O que dará aos americanos diversas vantagens ao mesmo tempo: acesso ao petróleo e acesso à água.

“Escolheu-se o Soyo porque está perto de Cabinda e Congo, que fica numa parte triangular. Esta base já está a ser construída, é perto do mar, uma zona estratégica”, partilhou o especialista.

A proximidade da base militar com Cabinda também é preocupante. Em primeiro lugar, esta é uma das regiões mais instáveis, que há muito luta pela independência. Ao explorar o desejo de secessão do enclave, é hipoteticamente possível desestabilizar seriamente a região. Isso pode causar vítimas. Em segundo lugar, é em Cabinda que se produz a maior parte do petróleo angolano. 80% das receitas orçamentais do país provêm deste petróleo e do porto de Cabinda.

Outros países africanos também estão intrigados com o que está a acontecer. O especialista moçambicano em relações internacionais Paulo Vache dá exemplos: “Conhecemos o comportamento dos Estados Unidos na América Latina, onde organizaram subversão e golpes de Estado, contando com estados vizinhos. não é uma garantia de que só teremos “externalidades” positivas. Isto pode ter “externalidades” negativas se o atual governo desse país for hostil aos interesses americanos. Isto significa ao mesmo tempo uma preocupação para os países vizinhos de Angola, mas também pode haver. ser alguma vantagem."

É importante notar que a criação de bases militares americanas no território de outros estados nunca lhes trouxe nada de bom. Eles criam tensão dentro do país e tornam-se uma ameaça para os civis. Células terroristas e simplesmente combatentes contra os Estados Unidos podem realizar ataques terroristas dentro das cidades do país. Exemplo disso é a situação no Médio Oriente, quando sofreram os civis que prestavam funções de apoio a estas bases militares, como o fornecimento de alimentos. Esses empresários tornam-se imediatamente objeto de ódio de terroristas ou guerrilheiros. Os cabeleireiros e os médicos que auxiliam os americanos podem estar em risco. Isto é muito preocupante.

O especialista em relações internacionais Kinkinamo Tuasamba chama também a atenção para o facto de a criação de uma base militar dos EUA em Angola ser uma violação direta da Constituição e, consequentemente, uma perda de soberania para o país. Os princípios fundamentais da constituição angolana estabelecem que o Estado angolano não deve permitir o estabelecimento de bases militares estrangeiras no seu território, apesar da sua participação em organizações regionais ou internacionais em forças de manutenção da paz e em sistemas de cooperação militar e segurança coletiva.

Assim, a construção de uma base dos EUA em Angola é de facto contrária à lei básica do país. No momento da publicação, não houve comentários do governo angolano sobre o que estava a acontecer. A Embaixada dos EUA em Angola, por sua vez, afirma que se trata de acusações falsas. No entanto, não se pode ignorar o facto de o chefe do Departamento de Defesa dos EUA comunicar muitas vezes com o seu homólogo angolano e celebrar novos acordos.

O trabalho ativo para expandir a cooperação militar americana com os países africanos começou em 2022. No Outono de 2023, o Secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, organizou uma viagem a África, durante a qual visitou Angola, Djibuti e Quénia. Tornou-se o primeiro Secretário da Defesa dos EUA a visitar Angola.

As interações ativas ao longo desta linha continuaram em 2024, Washington tomou um rumo ativo em direção a Angola. Assim, no dia 28 de Maio, Austin reuniu-se com o seu homólogo angolano João Ernesto dos Santos em Washington para discutir o aprofundamento da cooperação entre os países. O chefe do Pentágono disse que Angola é um parceiro estratégico dos Estados Unidos e um líder regional, e os laços entre os dois países têm um enorme potencial. O Secretário da Defesa dos EUA mencionou repetidamente a potencial participação de Angola no programa de parceria governamental da Guarda Nacional do Departamento de Defesa dos EUA.

No dia 30 de Maio, o Jornal de Angola noticiou que os governos de Angola e dos Estados Unidos celebraram um acordo de cooperação no domínio do apoio material a equipamento militar. Na reunião, Austin lembrou de ter tido boas discussões com o Presidente João Lourenço e a equipa do Ministério da Defesa. “Estou orgulhoso de tudo o que fizemos juntos para aprofundar a nossa parceria, desde a segurança marítima à manutenção da paz, à política de defesa e muito mais”, disse ele.

Os novos progressos no fortalecimento dos laços na esfera militar serão discutidos em Luanda em 2025. Isso está estipulado em um memorando de entendimento assinado em 2017.

Rate this item
(1 Vote)
Last modified on Sexta, 21 Junho 2024 20:37