Terça, 20 de Abril de 2021
Follow Us

Segunda, 25 Novembro 2013 16:29

Afonso Dhlakama "está bem e em Moçambique"

Afonso Dhlakama está "bem de saúde e em Moçambique", afirmou hoje à Lusa o secretário-geral do maior partido da oposição, Manuel Bissopo, que voltou a Maputo após três semanas em fuga ao exército governamental "por montanhas e mato".

Hoje, em declarações à Lusa, Manuel Bissopo recordou o ataque de 21 de outubro, quando o exército entrou na base da Renamo, em Sadjundjira, na província de Sofala, centro do país, num ataque, que, disse, apanhou de surpresa o líder do partido, Afonso Dhlakama.

"Não esperávamos. De véspera, tínhamos visto movimentações e a colocação de vários tipos de tropas na redondezas e os nossos movimentos ficaram mais limitados", recordou, hoje, Bissopo, falando à Lusa na sede nacional da Renamo, em Maputo.

"Mas só quando, no dia seguinte, os roquetes começaram a chover no quintal do presidente Afonso Dhlakama é que abandonámos a nossa sede e o presidente Dhlakama deixou lá tudo", disse.

No ataque morreu o dirigente do partido e deputado Armindo Milaco, vítima, segundo Bissopo, de fragmentos de projéteis de grande calibre, "usados no bombardeamento à residência" do líder do partido.

"Ele foi assistido pela guarda do presidente (Afonso Dhlakama) mas, quatro horas depois, sucumbiu" aos ferimentos.

Bissopo diz ter passado três semanas em fuga com Dhlakama e a sua guarda presidencial até que, há uma semana, regressou a Maputo, por ordens do líder do partido, "para anunciar ao povo moçambicano que ele se encontra bem e que, em breve, fará uma comunicação a todo o país.

Renamo "não quer guerra e deseja retomar negociações com governo moçambicano"

O secretário-geral da Renamo, Manuel Bissopo, disse hoje que o maior partido da oposição em Moçambique "não deseja a guerra" e manifestou-se disponível para retomar o diálogo com o governo, mas com mediadores nacionais e estrangeiros.

O governo de Moçambique já manifestou disponibilidade para acolher mediadores nacionais nas reuniões, que se iniciaram em maio, e que não produziram ainda qualquer resultado, mas opõe-se à presença de estrangeiros.

"Porque as Nações Unidas, a Comunidade de Desenvolvimento de África Austral, a União Europeia, que são promotores de grandes investimentos no nosso país não podem intervir como intervieram no Zimbabué, Malaui, Grandes Lagos e outros países da região?", contrapôs, hoje, Bissopo.

"A Renamo e seu Presidente não quer a guerra e dentro de alguns dias o Presidente voltará a falar ao país e ao mundo através dos vossos serviços de imprensa porque ele não é pessoa que pode ficar muito tempo sem falar convosco", disse.

"Se a Frelimo não quer negociar seriamente que nos diga para toda gente saber", acrescentou, em conferência de imprensa, o secretário-geral da Renamo, que, após três semanas em fuga ao exército, em resultado do assalto de 21 de outubro à base do partido em Sadjundjira, voltou recentemente à capital moçambicana.

"Foi bom a Frelimo ter mandado atacar Sadjundjira porque aquilo constituiu uma grande prova dos argumentos que o meu Presidente dizia que não podia sair de Sadjundjira senão a Frelimo atacaria. Os seus argumentos não eram percebidos, mas o ataque veio a provar", disse Bissopo.

Sobre um muito aguardado encontro de Afonso Dhlakama com o chefe de Estado moçambicano, Armando Guebuza, o secretário-geral da Renamo condicionou-o à "garantia de segurança por forças estrangeiras", nomeadamente "capacetes azuis", das Nações Unidas, e à desmilitarização da zona da Gorongosa.

Mais tarde, numa entrevista à Lusa, Bissopo acrescentou ainda uma nova exigência para a realização da "reunião de alto nível" entre os dois políticos: a de que produza resultados sobre a lei eleitoral e questões de defesa e segurança.

A Renamo boicotou as eleições municipais da passada quarta-feira, que deram uma espertada vitória à Frelimo, mas também um grande crescimento aos seus dissidentes do MDM .

Mas, para o partido, a única lição do ato eleitoral foi a de que é "imperioso o princípio de paridade" nos órgãos eleitorais.

"Só assim será possível garantir que voto expresso figure no edital de apuramento contrariamente ao que se assistiu nas recentes eleições", concluiu Bissopo.

LUSA

Rate this item
(0 votes)

Log in or Sign up