Sábado, 02 de Março de 2024
Follow Us

Segunda, 10 Julho 2023 16:01

BMI prevê recessão de 0,7% este ano devido à desvalorização do Kwanza e subida da inflação

A consultora BMI, do grupo Fitch Solutions, reviu hoje em baixa a previsão de crescimento para Angola este ano, antecipando um regresso à recessão, essencialmente devido à desvalorização do kwanza e ao aumento da inflação.

"Prevemos que o PIB real vá contrair-se 0,7% em 2023, depois de uma expansão de 3,1% em 2022, o que é uma revisão em baixa face à nossa anterior previsão de 1,8%", lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso.

Na revisão das perspetivas de evolução da economia de Angola, os analistas explicam que "esta revisão reflete largamente o impacto da forte desvalorização do kwanza em junho", e acrescentam que "o aumento da inflação vai impactar no consumo das famílias e no investimento das empresas, o que coloca ainda mais pressão descendente na atividade económica do setor petrolífero".

A BMI, anteriormente conhecida como Fitch Solutions, detida pelos mesmos donos da agência de notação financeira Fitch Ratings, é das primeiras consultoras a assumir nas previsões que Angola pode voltar ao crescimento negativo que enfrentou entre 2016 e 2021, motivando a intervenção do Fundo Monetário Internacional.

"Como não prevíamos que o crescimento abrandasse para menos de 1% [no segundo trimestre] e por causa da forte desvalorização do kwanza, que caiu 39,6% só em junho, e o impacto inflacionário, prevemos agora que haverá uma contração de 0,7% no PIB real, pior que a nossa anterior estimativa de 1,8% de crescimento", escrevem.

As más notícias continuam na inflação e na produção petrolífera, com a BMI a prever uma aceleração da inflação de 11% para 15%, chegando ao final do ano nos 17% face ao período homólogo, e com a produção petrolífera a cair 2,4%, o que, aliado à queda de 19,2% no preço do barril, para 80 dólares em 2023, "vai aumentar o impacto da queda da produção de petróleo".

Olhando para 2024, a previsão da BMI aponta para um regresso a um crescimento de 0,6% "devido à ligeira recuperação dos preços do petróleo, que vão subir 2,4% para 83 dólares por barril, e ao abrandamento da queda da produção interna", para 1,7%.

Apesar de a inflação ainda aumentar para 18% no próximo ano em resultado dos cortes aos subsídios dos combustíveis, os analistas estimam que Angola vá crescer 1,9% em 2024.

Rate this item
(0 votes)