Quinta, 23 de Mai de 2024
Follow Us

Segunda, 18 Dezembro 2023 15:03

Tensões diplomáticas: Gabão chama de volta o seu embaixador em Luanda

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Gabão chamou de volta o seu Embaixador Extraordinário e Plenipotenciário em Angola “para consultas”, de acordo com uma carta do Ministro do Gabão datada de 15 de Dezembro de 2023. É uma decisão que mostra tensões crescentes entre Libreville e Luanda desde o golpe militar no Gabão, em 30 de Agosto.

O incidente diplomático foi desencadeado pela ausência de representantes oficiais do Gabão na embaixada de Angola durante as comemorações do 48º aniversário da independência de Angola, em Libreville, no dia 11 de Novembro.  A fúria das autoridades diplomáticas gabonesas poderá ter a sua origem no facto de o embaixador angolano no Gabão se ter recusado discretamente a reconhecer a nova liderança gabonesa após o golpe de estado, ao não aceitar o retrato do novo presidente do Gabao, Brice Clotaire Oligui Nguema (na embaixada) ao lado do presidente angolano, João Lourenço.

Este desprezo das autoridades angolanos pela junta militar no poder no Gabão cristalizaria as tensões. A partir de 4 de Setembro, a Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), liderada pelo actual Presidente angolano, João Lourenço, condenou o golpe no Gabão e prometeu transferir a sede da CEEAC de Libreville para Malabo, apesar da ausência de base jurídica.

No dia 15 de Dezembro, em Djibloho, na Guiné Equatorial, durante a quinta cimeira extraordinária da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da CEEAC que ratificou a manutenção da sede no Gabão, o presidente angolano, João Lourenço, teria vindo apenas para se opor ao levantamento das sanções contra o Gabão. A partir de fontes não oficiais no Gabão, foram notados mal-entendidos “face a certos actos hostis por parte de Angola”, de acordo com uma fonte não gabonesa em Djibloho na Guiné Equatorial, governo angolano teria sido “o mais virulento contra o Gabão na cimeira”. O presidente angolano “retomou o seu avião 2 horas depois, ou 4 horas antes do final da cimeira”

Esta série de eventos aumentou as tensões entre os dois países. O Gabão respondeu com esta forte medida diplomática, pois sentiu que estava a ser tratado injustamente a nível regional. Independentemente disso, volta “para consultas” o seu embaixador extraordinário e plenipotenciário em Angola é ressentimento relativamente à aparente hostilidade e interferência nos seus assuntos internos.

O impacto desta decisão impõe a luz e os desafios enfrentados pelas instituições regionais de África e levanta questões sobre o delicado equilíbrio entre a soberania nacional e a solidariedade regional.

Rate this item
(1 Vote)