Quinta, 19 de Mai de 2022
Follow Us

Quinta, 20 Janeiro 2022 17:39

Ministro do Interior quer novo comandante-geral da polícia a combater amiguismo e corrupção

O ministro do Interior angolano exortou hoje o novo comandante-geral da Polícia Nacional de Angola (PNA), comissário-geral Arnaldo Manuel Carlos, a “combater o amiguismo, a corrupção, a bajulação, o nepotismo e as intrigas no seio da corporação”.

Eugénio Laborinho, que falava hoje durante a cerimónia de apresentação do novo comandante geral da PNA, na sede do Ministério do Interior, em Luanda, exigiu “mais trabalhos e resultados satisfatórios”.

O comissário-geral Arnaldo Manuel Carlos foi nomeado na segunda-feira, pelo Presidente da República, João Lourenço, substituindo Paulo Gaspar de Almeida, que foi exonerado uma semana depois dos atos de vandalismo em Luanda, durante uma paralisação de taxistas, que o chefe do executivo considerou como “um ato de terror” que visava tornar o país ingovernável e "subverter o poder democraticamente instituído".

Para o ministro angolano, Arnaldo Manuel Carlos deve pautar-se, no exercício das suas funções, pelo “diálogo permanente, gestão de quadros, profissionalismo e olhar para a progressão na carreira”.

Eugénio Laborinho, que acredita que o novo comissário-geral venha exercer o cargo com “uma visão mais ampla” no domínio da prevenção e combate à criminalidade, recordou que este assume a função “numa altura em que Angola regista alguns atos tendentes à alteração da ordem”.

Recomendou, por isso, “um policiamento de proximidade, uma ação mais proativa e o reforço da cooperação com todos os órgãos que intervêm na administração da justiça”.

A mudança da chefia da PNA “ocorre num momento bastante importante devido à realização das eleições gerais e exige da polícia maior organização, estruturação, profissionalismo, prontidão, sacrifício e capacidade de resposta às ações de alteração à ordem”, notou.

Para que, realçou, “o pleito eleitoral previsto para agosto ocorra num ambiente de paz e tranquilidade”.

Laborinho, na sua intervenção, reiterou a necessidade de o novo comandante-geral da corporação ser mais dialogante, defendendo também uma atenção especial às condições sociais dos efetivos, às casernas e às unidades.

O novo comandante-geral da Polícia Nacional de Angola (PNA) prometeu, por seu lado, apostar numa ação “mais preventiva” na atuação dos efetivos de modo a se “acautelar o dano social e elevar a confiança e a paz social”.

“Vale mais prevenir do que termos que esclarecer crimes para se acautelar o dano social e elevar a confiança e a paz social. Essa prevenção será realizada mediante a interação permanente com toda a população, com toda a sociedade civil”, assegurou Arnaldo Manuel Carlos

No entender do novo comandante-geral da PNA, a corporação deverá precisar igualmente da intervenção de outras instâncias para remover os fatores geradores da criminalidade, “com realce para a situação da vulnerabilidade social que permite a ocorrência de determinados crimes”.

O novo responsável da PNA apontou a “enorme responsabilidade” com que assume o cargo, tendo em conta a magnitude e missões que a Constituição e a lei conferem à polícia nacional.

“Por isso, tudo faremos para que sejamos dignos da confiança que nos foi dada, primando por elevados níveis de profissionalismo e abnegação contando com o empenho de todo o efetivo”, garantiu.

Para o novo comandante-geral da polícia angolana, a ação do efetivo “deve ser também pedagógica e proativa”, garantindo prestar atenção ao perfil e dificuldades dos membros da corporação que dirige.

Um desafio “muito particular” para este ano, sublinhou, “tem a ver com a elevação dos níveis de segurança antes, durante e depois das eleições, seguindo as orientações e esforços que já têm sido feitos”.

As próximas eleições gerais em Angola estão previstas para a segunda quinzena de agosto deste ano.

Angola, com cerca de 30 milhões de habitantes, conta com mais de 100 mil efetivos espalhados pelas 18 províncias do país.

Rate this item
(0 votes)